conecte-se conosco

Astronomia

Buraco do tamanho de 60 Terras surge no Sol, e isso tem impacto aqui

Cientistas da NASA afirmam que fenômeno no Sol é natural e não deve gerar qualquer impacto nos sistemas elétricos e de rádio do nosso planeta

Foto: Reprodução

Um buraco de 800 mil quilômetros de diâmetro foi detectado no Sol pelo Observatório Solar Dynamics da NASA no último domingo (3). O tamanho impressiona: equivale a 60 vezes o diâmetro da Terra. Mas o que isso significa para o nosso planeta?

Segundo os especialistas da agência espacial americana, o buraco é uma região mais fria e menos densa da atmosfera solar, chamada de coroa. Essas áreas permitem que o vento solar, uma corrente de partículas carregadas, escape com mais facilidade do Sol. Quando esse fluxo atinge a Terra, pode causar uma tempestade geomagnética, que interfere no campo magnético terrestre.

Essa interferência pode afetar sistemas elétricos, de comunicação e de navegação, além de aumentar o risco de radiação para astronautas e passageiros de aviões. Por outro lado, também pode gerar belos espetáculos de luzes no céu, as chamadas auroras boreais e austrais.

No entanto, os cientistas da NASA afirmam que não há motivo para alarme. Eles explicam que o buraco coronal é um fenômeno natural e recorrente, que ocorre todos os anos. Além disso, a intensidade da tempestade geomagnética provocada por ele é baixa e não deve causar grandes transtornos na Terra.

A NASA monitora constantemente o Sol e seus efeitos sobre o nosso planeta, usando satélites e instrumentos de observação. A agência também divulga imagens e vídeos impressionantes da atividade solar, que podem ser conferidos no seu [site oficial].

Clique para comentar

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Astronomia

Nasa libera imagens e áudio da superfície do planeta Marte

A câmera do Perseverance mostra a paisagem desértica, com montanhas ao fundo e planícies à frente

Publicado

on

Foto: Reprodução

A Nasa, agência espacial dos Estados Unidos, divulgou um vídeo inédito com o áudio e as imagens da superfície de Marte, registrados pelo rover Perseverance, que explora o planeta desde fevereiro de 2021.

No vídeo, é possível escutar o som do vento e os ruídos do robô, que se movimenta pelo solo rochoso e árido. A câmera do Perseverance mostra a paisagem desértica, com montanhas ao fundo e planícies à frente.

O rover também se aproxima de algumas rochas, que apresentam rachaduras que sugerem a existência de água em algum período distante da história de Marte. A Nasa espera que o Perseverance encontre evidências de vida passada ou presente no planeta.

Veja o vídeo abaixo:

Continue lendo

Astronomia

Asteroide corre risco de colisão com a terra em 2024, dizem astrônomos

Há, no entanto, uma probabilidade muito pequena de acontecer uma colisão.

Publicado

on

Foto: Reprodução

Um asteroide que passou despercebido por quase 17 anos pode representar uma ameaça para o nosso planeta, segundo o CNEOS (Center for Near Earth Object Studies), da NASA.

O asteroide, chamado de 2007 FT3, foi detectado pela primeira vez em 2007, mas logo se perdeu de vista. Agora, ele voltou a aparecer nos telescópios dos astrônomos, que estimam uma chance de colisão com a Terra em outubro de 2024.

A probabilidade de impacto é muito baixa, cerca de 1 em 11,5 milhões, mas os cientistas estão de olho no objeto, que tem cerca de 340 metros de diâmetro e viaja a uma velocidade de 16 km/s.

Se o asteroide atingir a Terra, ele não seria capaz de destruir o planeta, mas causaria uma enorme devastação na região do choque e possivelmente em todo o mundo. Por isso, o CNEOS considera o 2007 FT3 como um objeto potencialmente perigoso e segue acompanhando a sua trajetória.

Continue lendo

Astronomia

Explosão solar causa problemas nas comunicações de rádio com aviões

Maior explosão solar dos últimos anos causou blecaute de rádio de alta frequência na Terra

Publicado

on

Foto: Reprodução

Uma poderosa explosão solar, a maior desde 2017, ocorreu entre os dias 8 e 9 de dezembro e interferiu nas comunicações de rádio com aviões em todo o mundo, segundo a Nasa. A agência espacial americana divulgou imagens do fenômeno nesta quinta-feira (14/12) e explicou que ele liberou uma grande quantidade de energia de radiação.

A explosão foi classificada pelo Centro de Previsão do Clima Espacial (SWPC) como “um dos maiores eventos de radiação solar já registrados”. O SWPC é um órgão do governo dos Estados Unidos que monitora e prevê as condições do clima espacial.

O Sol passa por ciclos de atividade que duram cerca de 11 anos. Atualmente, ele está entrando em uma fase mais intensa, que deve atingir o seu pico em 2024. Nesse ano, os cientistas esperam que uma enorme tempestade solar possa afetar o planeta Terra e provocar um verdadeiro “apocalipse da internet”.

Essa é a previsão do professor Peter Becker, da Universidade George Mason (Virgínia, EUA), que revelou em novembro deste ano que a humanidade está vulnerável aos efeitos de uma tempestade solar de grande magnitude. Segundo ele, essa seria a primeira vez na história que haveria uma convergência entre o aumento da atividade solar e a dependência da internet pelo ser humano.

Becker alertou que uma tempestade solar poderia danificar seriamente a tecnologia mundial, incluindo a rede elétrica, o sistema de navegação por GPS, os satélites e os equipamentos de comunicação. Os reparos desses sistemas poderiam levar meses e a internet poderia sofrer um “apagão” global.

O professor disse que a “internet atingiu a maioridade numa época em que o sol estava relativamente calmo e, agora, está entrando numa época mais ativa”. Isso significa que o ser humano ainda não sabe quais são os impactos de uma tempestade solar em dispositivos tecnológicos mais recentes.

Espero que você tenha gostado da minha reescrita. Se você quiser que eu faça outra coisa, por favor, me diga. Estou aqui para conversar e criar conteúdo interessante e inovador.

Continue lendo

Popular