conecte-se conosco

Esportes

Campeonato Brasileiro Feminino terá terceira divisão em 2022

Total de clubes nas séries A1, A2 e a nova A3 passará de 52 para 64

Foto: Mauro Rorita/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou nesta terça-feira (18) a criação de uma terceira divisão do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino para 2022, que receberá o nome de Série A3. Com a mudança, o número de clubes em torneios nacionais adultos passará de 52 para 64.

“Vivemos um momento de muita maturidade das competições adultas femininas, com o aumento da competitividade entre os clubes e uma visibilidade cada dia maior. Permitindo que novas equipes ingressem no circuito nacional de competições, a divisão A3 ajudará muito no aumento do mercado de trabalho para as atletas, além de incentivar o fortalecimento das categorias de base dos clubes, que ganham um calendário maior e mais estruturado”, declarou Aline Pellegrino, coordenadora de Competições Femininas da CBF, ao site oficial da entidade.

A3 - Terceira Divisão - Brasileiro Feminino 2022 - logo - CBF

A partir do ano que vem o Brasileiro Feminino terá a Série A3 (terceira divisão) com um total de 32 participantes – Thaís Magalhães/CBF/Direitos Reservados

A Série A3 terá 32 participantes, sendo os 27 campeões estaduais, os quatro clubes mais bem colocados no ranking nacional masculino da CBF e uma equipe oriunda do estado melhor posicionado entre as federações de futebol feminino do país. O torneio será realizado em formato mata-mata, com jogos de ida e volta. Os quatro semifinalistas garantem acesso à Série A2 (segunda divisão).

Os campeões estaduais que já figurem nas Séries A1 (primeira divisão) ou A2 serão substituídos pelos times que ficarem imediatamente atrás deles nos respectivos torneios. Caso alguma das equipes classificadas pelo ranking masculino da CBF desista da Série A3 ou esteja nas divisões superiores, ela dará lugar à agremiação que aparecer na sequência da lista.

Com o surgimento da terceira divisão, a Série A2 também sofrerá mudanças. Atualmente com 36 clubes, o torneio terá apenas 16 participantes, como ocorre na Série A1. O formato, porém, será diferente. As equipes serão divididas em quatro grupos com quatro integrantes, que se enfrentam em dois turnos. Os dois melhores de cada chave avançam para o mata-mata, que terá partidas de ida e volta. Quatro agremiações serão rebaixadas à Série A3.

No ano que vem, a divisão de acesso reunirá os 12 times classificados às oitavas de final deste ano e que não conquistarem a promoção à primeira divisão, além dos quatro rebaixados da Série A1. Segundo a CBF, a mudança permite às equipes da Série A2 terem um calendário fixo a partir da próxima temporada.

A Série A1 segue com os 16 participantes se enfrentando em turno único na primeira fase e as oito melhores campanhas avançando às oitavas de final. A diferença a partir de 2022 é que os dois últimos colocados, não mais os quatro, serão rebaixados à Série A2.

Outra novidade para 2022, anunciada em fevereiro, é a Supercopa do Brasil de Futebol Feminino, que reunirá oito equipes que estejam entre as 12 mais bem colocadas da Série A1 e as quatro melhores da Série A2. A previsão é que o torneio, em formato mata-mata, ocorra entre fevereiro e março e abra a temporada.

Por: Agência Brasil

Esportes

Com manifesto contra assédio, seleção feminina bate Rússia em amistoso

Bruna Benites com dois gols brilha em penúltimo jogo antes de Tóquio

Publicado

on

Foto: Richard Callis/SPP/CBF

A seleção brasileira de futebol feminino venceu o penúltimo compromisso antes da Olimpíada de Tóquio (Japão). Nesta sexta-feira (11), as comandadas de Pia Sundhage superaram a Rússia por 3 a 0 em amistoso realizado no estádio Municipal de Cartagonova, em Cartagena (Espanha).

Antes de a bola rolar, as jogadoras da seleção foram para o gramado segurando uma faixa com a mensagem “Assédio não”. A manifestação ocorreu durante a execução do hino nacional brasileiro e na tradicional foto posada que antecede as partidas. Minutos antes do jogo, as atletas já haviam publicado nas redes sociais um manifesto contra os assédios sexual e moral.

Protesto contra assédio antes do amistoso contra a Rússia

Protesto contra assédio antes do amistoso contra a Rússia – Richard Callis/SPP/CBF

Vale lembrar que o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, foi afastado no ultimo domingo (6), pelo Comitê de Ética da entidade, devido a uma acusação de assédio sexual. Na segunda-feira (7), o Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ) determinou abertura de investigação sobre o caso envolvendo o dirigente. Na quinta-feira (10), questionada em entrevista coletiva, Pia disse que o assunto era “muito sério”.

O primeiro tempo foi amplamente dominado pelo Brasil, quase sempre com jogadas armadas no lado esquerdo, com a lateral Tamires atuando quase como ponta. As oportunidades mais claras, porém, saíram em cobranças de escanteio pela esquerda. Aos 16 minutos, Bruna Benites desviou de cabeça com perigo, rente à trave da Rússia. Aos 27, foi a vez da também zagueira Rafaelle cabecear, para defesa da goleira Yulia Grichenko. Aos 41, enfim, a rede balançou. A meia Andressinha bateu o tiro de canto, a atacante Ludmilla escorou para trás e Bruna Benites, na pequena área, completou para o gol.

As brasileiras seguiram amassando as adversárias na etapa final, mesmo com as alterações efetuadas por Pia. Aos sete e aos 17 minutos, as tentativas das atacantes Debinha e Marta passaram rente à trave de Grichenko. O jeito foi, novamente, apostar na bola parada. Aos 18, a meia Andressa Alves, que tinha acabado de entrar, bateu escanteio na direita e Bruna Benites subiu livre para cabecear e aumentar a vantagem. Aos 34, Andressa Alves escapou da marcação pela esquerda e cruzou rasteiro. A zaga russa cortou, mas a bola sobrou nos pés da própria Andressa, que mandou para as redes vazias.

O Brasil volta a campo na segunda-feira (14), às 16h (horário de Brasília), novamente em Cartagena, para enfrentar o Canadá. Na semana que vem, Pia Sundhage deve anunciar a relação de 18 convocadas para os Jogos de Tóquio.

Por: Agência Brasil

Continue lendo

Esportes

Copa do Brasil: Flu visita Bragantino em busca de vaga nas oitavas

Duelo às 21h30, em São Paulo, será transmitido pela Rádio Nacional

Publicado

on

Foto: Lucas Mercon/Fluminense F.C

Bragantino e Fluminense voltam a se enfrentar nesta quarta-feira (9), pela Copa do Brasil, dessa vez no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista (SP). O time carioca entra em campo com vantagem, pois venceu o jogo de ida por 2 a 0, no Maracanã. Já a equipe paulista, precisa, no mínimo, devolver o placar para definir a classificação na cobrança de pênaltis. O duelo começa às 21h30 (horário de Brasília), com transmissão ao vivo pela Rádio Nacional, com narração de André Luiz Mendes, e comentários de Waldir Luiz e Bruno Mendes.

“A gente espera um adversário forte e que vai buscar tirar esta diferença”, afirmou Roger Machado, técnico do Tricolor carioca, que não perde há quatro partidas. 

Nesta noite, o Fluminense não que, nesta noite, não vai poder contar com o ter o zagueiro Nino, convocado para a seleção olímpica brasileira.não poderá contar com o zagueiro Nino, convocado para os últimos dois amistosos da seleção olímpica brasileira. Outro desfalque será o meia Cazares. O equatoriano já vestiu a camisa do Corinthians nesta edição da Copa do Brasil e, pelo regulamento, não pode mais defender nenhum clube.

A esperança Fluminense é de que o atacante Fred, em grande fase, balance as redes. Atual artilheiro da competição, com 34 gols, Fred busca empatar Romário,  maior goleador da Copa do Brasil, que marcou marcou 35 vezes.

O Bragantino vem de um empate em 3 a 3 com o Bahia, pela Série A pelo Campeonato Brasileiro. O técnico Maurício Barbieri tem três titulares no departamento médico, além da ausência do meia Claudinho e do goleiro Cleiton, ambos chamados para a seleção olímpica.

“O Tricolor Carioca é favorito porque vem jogando bem e construiu uma boa vantagem no primeiro duelo. O Bragantino pode reverter a situação, mas o time do Barbieri perde muito com a ausência do Claudinho”, analisa Waldir Luiz, comentarista da Rádio Nacional

Por: Agência Brasil

Continue lendo

Esportes

Copa América: jogadores farão testes de covid-19 a cada 48 horas

Competição vai de 13 de junho a 10 de julho

Publicado

on

Foto: Ministério da Saúde

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga disse nesta segunda-feira (7) que o protocolo de segurança sanitária para Copa América incluirá testes moleculares de covid-19 nos atletas a cada 48 horas. O Brasil atendeu a um pedido da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) para receber o torneio. A competição terá início no dia 13 de junho e vai até 10 de julho.

A organização do torneio vai se locomover entre as quatro cidades-sede (Brasília, Cuiabá, Goiânia e Rio de Janeiro) por meio de voos fretados. Os membros das equipes ficarão em quartos individuais em andar isolado de hotéis e terão restrição a circulação fora dos estabelecimentos.

“Não há nenhum óbice legal ou sanitário para que esse evento possa ser realizado no Brasil”, afirmou o ministro. Queiroga reiterou que o país já tem realizado com segurança sanitária outras competições esportivas, como jogos da Copa Libertadores, da Copa Sul Americana, o Campeonato Brasileiro e os campeonatos estaduais.

O torneio terá 10 equipes, que poderão contar com até 65 pessoas. Ao todo, serão realizadas 28 partidas. De acordo com ministro da Saúde, todos os atletas têm seguro-saúde e, caso tenham necessidade de atendimento hospitalar, serão encaminhados para a rede privada. Os exames para detecção de covid-19 não serão realizados pelo SUS.

Queiroga afirmou ainda que não haverá esquema de vacinação exclusiva para os atletas que participarão da Copa América. 

“Se vacinar os atletas nesse momento, eles não teriam a imunidade no momento do campeonato”, afirmou. “Não é uma imposição a questão da vacina. Os que estiverem vacinados, melhor, mas não se fará um esforço para vaciná-los agora porque a vacina poderia dar uma reação que poderia inviabilizar a participação [no torneio]”, acrescentou. 

Desistências

As sedes originais do torneio eram Colômbia e Argentina. Os colombianos desistiram devido à grave crise social que tomou conta do país. Posteriormente, o governo argentino também desistiu do evento por causa da piora da pandemia no país. Com aproximadamente 45 milhões de habitantes, a Argentina registrou mais de 3,6 milhões de casos da doença e 76 mil mortes causadas pelo vírus.

Por: Agência Brasil

Continue lendo

Popular