conecte-se conosco

Segurança

Crimes digitais: Especialista fala sobre Phishing e outras fraudes

Só em 2020, o Brasil foi o país que mais foi atingido com crimes de captação de dados.

Foto: Freepik

O mundo vivencia umas das maiores pandemias da história da humanidade, e em meio a todo esse cenário, a tecnologia vem se sobressaindo. A internet facilitou e muito a rotina do dia a dia, tanto de forma pessoal quanto de forma profissional. No entanto, nem tudo são flores, só no ano de 2020, o Brasil, foi o país que mais foi atingido no mundo pelo Phishing, um dos crimes digitais mais comuns. 

O termo em inglês significa “pesca de dados” e, a prática consiste no envio de mensagens fraudulentas que pode ser através de e-mail, ou outro tipo meio eletrônico, na tentativa de ludibriar a vítima para que ela forneça dados sigilosos, como senhas, dados bancários e outros dados pessoais.

Os criminosos, na maioria das vezes, se passam por entidades confiáveis, como instituições financeiras, órgãos governamentais e empresas reconhecidas. Devido à pandemia, os golpes se intensificaram no ano de 2020, através do uso massivo de fake news relacionadas ao programa de auxílio emergencial, também sobre o cadastramento da vacina, além do novo sistema PIX.

Entre outros crimes, também são frequentes a clonagem do Whatsapp, o golpe do boleto falso, sites de comércio eletrônico fraudulentos, Stalking (que é a perseguição praticada no âmbito virtual) e os crimes contra honra praticados no âmbito virtual. Para aqueles que são vítimas de crimes virtuais, a advogada criminalista Emanuela de Araújo Pereira explica sobre as providências que devem ser tomadas. 

“A primeira medida no âmbito dos crimes contra a honra é realizar o “print” da tela no caso da ofensa escrita em redes sociais e o armazenamento da URL, pois mesmo que seja apagada uma postagem é possível a recuperação dos dados, posteriormente à lavratura de um boletim de ocorrência”, explica Emanuela. 

No caso de mensagens de áudio, a advogada orienta que a mensagem seja gravada, e que também seja realizada uma ata notarial com a transcrição. Em relação aos outros crimes digitais, é importante registrar Boletim de Ocorrência, para que se possa ingressar com ação na esfera criminal. Caso tenha sido vítima de fraude bancária ou de cartões, além de transações fraudulentas através do PIX, é importante entrar em contato com o banco onde tem conta. 

Para aqueles que cometem crimes na internet, as punições são variadas. Em 27 de maio de 2021 entrou em vigor a Lei nº 14.155, que alterou o Código Penal brasileiro para agravar a punibilidade dos crimes de violação de dispositivo informático, furto e estelionato cometidos de forma eletrônica ou pela internet. Com isso, a pena do crime de fraude eletrônica é de 4 a 8 anos de reclusão. O Stalking, possui a pena de reclusão de 6 meses a 2 anos e multa, e ainda os crimes contra a honra praticados no âmbito da internet tiveram sua pena triplicada a partir de abril de 2021.

Cuidados que devem se tomados para não ser vítima de um crime virtual  

Ainda de acordo com a advogada, existem uma série de fatores que devem ser observados para que não caia em crimes digitais. Para evitar o golpe da clonagem do Whatsapp, por exemplo, as recomendações fornecidas pelas autoridades policiais são:  Ative a “Confirmação em duas etapas” no WhatsApp, nunca forneça o código verificador que você recebe via SMS em seu celular e não instale apps de terceiros ou compartilhe informações pessoais a pedido de ninguém pelo Whatsapp.

“É importante que se desconfie de situações em que a pessoa solicita a realização de transferências e pagamentos em caráter de urgência; Ligue para a pessoa que solicitou o dinheiro e verifique se realmente é ela quem está solicitando a transação”, alerta a advogada. 

Entre outras recomendações, no caso de boletos, é necessário verificar se os dados do “Beneficiário” correspondem aos de quem lhe vendeu o produto ou serviço. Sempre que tiver dúvidas sobre a veracidade de um boleto de cobrança, consulte diretamente o fornecedor que o emitiu e evite reimprimir boletos de cobrança em sites que não sejam do banco emissor do boleto e claro, evite negociar valores de descontos de boletos com pessoas estranhas, ou que se identificam como funcionários dos bancos ou de empresas.

Para evitar ser vítima de Phishing, nunca abra e-mails de origem ou de procedência duvidosa, não execute programas, abra arquivos ou clique em links que estejam anexados ou no corpo desses e-mails. Evite usar computadores públicos e redes abertas de wi-fi para acessar conta bancária ou fazer compras online e nunca utilize seu cartão para fazer compras em sites desconhecidos.

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre-se de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Clique para comentar

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Celebridades

Influenciadora Pamella Holanda denuncia agressões de DJ Ivis

Após vídeos divulgados, um inquérito foi instaurado para investigação.

Publicado

on

Foto: Reprodução

O paraibano Iverson de Sousa Araújo, conhecido como DJ Ivis, de 29 anos, está sendo investigado pela Polícia Civil do Ceará por lesão corporal e violência doméstica após uma série de denúncias feitas pela esposa Pamella Holanda. O caso teve grande repercussão na internet após a influenciadora ter relatado, por meio de  postagens em seu perfil no Instagram vídeos de imagens das câmeras de segurança da casa que comprovam as agressões neste domingo (11). 

Confira as imagens:

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), um inquérito policial foi instaurado para investigar uma ocorrência de lesão corporal no âmbito de violência doméstica registrado, no último dia três deste mês, no município de Eusébio. Ainda de acordo com as autoridades, não foi possível efetuar o flagrante, pois as agressões ocorreram no dia 1º, mas Pamella só registrou o caso no dia 3 de julho, desta forma, o músico segue em liberdade.

Na manhã desta segunda-feira (12), Pamella se pronunciou pela primeira vez após a divulgação dos vídeos em que aparece sendo agredida. Em publicação em sua rede social, Pamella relatou o que sofria, agradeceu ao apoio de todos, reforçou sobre a importância das vítimas de violência doméstica não se calarem e informou que ela e a filha de nove meses estão seguras. 

“Eu me calei por muito tempo! Eu sofria com minha filha, sem apoio até dos que diziam estar ali pra ajudar, que eram coniventes e presenciavam tudo calados sem interferir com a desculpa que eu tinha que aguentar calada porque era o ‘jeito dele’, era esse o ‘temperamento dele’ e que se eu quisesse viver com ele, teria que me sujeitar e ser submissa. Não se calem!!! Não se calem jamais!!! Eu não vou me calar!”, escreveu Pamella. 

Foto: Reprodução/ Instagram

DJ Ives por sua vez, também compartilhou vídeos de Pamela tentando agredi-lo e um boletim de ocorrência feito em março. No depoimento à polícia, o produtor afirmou que discutiu com a mulher e que estava “constrangido” e “com medo do comportamento desequilibrado” da companheira. 

“Não estou aqui para justificar nada. Estou aqui para mostrar que não aguento mais isso. Muitas pessoas vão me julgar, mas eu não suportava mais isso, eu recebi chantagens, ameaça de morte com a minha filha. Ninguém sabe o que é isso que eu passei”, disse Ivis.

Aos 29 anos de idade, DJ Ivis é conhecido no meio do forró por produzir grandes nomes da atualidade como Zè Vaqueiro e Barões da Pisadinha. Produtor de Xand Avião desde a época de Aviões do Forró, o homem se lançou neste ano como artista, alcançando números expressivos com hits como “Volta Bebê, Volta Neném” e “Esquema Preferido”.

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Brasil

Notícias falsas prejudicam buscas por Lázaro Barbosa, diz secretário

Foragido possui condenação por homicídio, na Bahia, no DF e em Goiás

Publicado

on

Foto: Divulgação/Polícia Civil

Mais de 200 policiais participam das buscas por Lázaro Barbosa Sousa na região de Cocalzinho de Goiás. As ações são comandadas pela Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO), com a ajuda de equipes do DF e das Polícias Federal e Rodoviária Federal.

De acordo com a SSP-GO, Lázaro é suspeito de cometer um quádruplo latrocínio em Ceilândia, no DF, além dos crimes em Goiás. “Nos últimos dias, o indivíduo invadiu propriedades rurais da região do entorno, fez três pessoas reféns e baleou outras quatro, entre elas, um policial militar. O PM, que foi atingido de raspão, chegou a ser levado ao Hospital de Urgências de Anápolis (Huana), mas já está em casa”, informou a secretaria.

Lázaro já possui uma condenação por homicídio, na Bahia, e é também procurado no DF e em Goiás por crimes de roubo, estupro e porte ilegal de arma de fogo. A SSP-GO tem feito alertas sobre os prejuízos que notícias falsas têm causado para a investigação, segundo o chefe da pasta, Rodney Miranda.

Em coletiva de imprensa feita recentemente, Miranda disse que essas informações falsas acabam fazendo com que os investigadores “deixem de atender mais rapidamente uma informação procedente, para atender uma que não tem relevância”.

Segundo ele, tais situações têm provocado interferências na operação. “É um problema sim. Não só essa Fake News [de que Lázaro estaria em um cemitério], como outra de que ele já havia sido baleado, que já estava morto. Tudo isso atrapalha, porque não só a nossa Inteligência, como as unidades de operação, tem que checar. Às vezes a gente deixa de atender mais rapidamente uma informação procedente, para atender uma que não tem relevância”, ressaltou.

Miranda disse que a situação é “complexa, grave e de difícil resolução”, mas que avanços têm sido obtidos, contando com o reforço de 20 policiais da Força Nacional de Segurança Pública.

Por: Agência Brasil

Continue lendo

Brasil

PF faz operação contra corrupção de funcionários da Petrobras

A ação é um desdobramento da Operação Sem Limites

Publicado

on

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Policiais federais cumprem hoje (18) três mandados de busca e apreensão contra suspeitos de corrupção e lavagem de dinheiro na antiga Diretoria de Abastecimento da Petrobras. Os mandados da operação Sem Limites VI foram expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba (PR).

A ação de hoje é um desdobramento da Operação Sem Limites que investigou a prática de crimes envolvendo a negociação de óleos combustíveis entre a estatal e empresas estrangeiras.

Os novos mandados expedidos pela Justiça buscam colher provas sobre corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa por novos suspeitos.

Um deles seria ligado a um ex-gerente da Petrobras, que seria responsável por receber recursos de corrupção no exterior, por meio de contas em nome de empresas registradas em outros países. Segundo a Polícia Federal (PF), esse dinheiro era depois distribuído aos envolvidos no esquema criminoso.

Também foram identificados um representante de empresas internacionais e dois homens ligados a um ex-funcionário da área comercial da Petrobras, que seria o responsável por dar informações privilegiadas sobre negociações da estatal.

A PF não informou o período em que funcionou o esquema.

Por meio de nota, a Petrobras informou que colabora com as investigações desde 2014, é coautora de 21 ações de improbidade administrativas que estão em andamento e é assistente de acusação em 76 ações penais relacionadas a crimes investigados pela Operação Lava Jato.

“A Petrobras é vítima dos crimes desvendados pela Operação Lava Jato, sendo reconhecida como tal pelo Ministério Público Federal e pelo Supremo Tribunal Federal”, diz a nota. “Cabe salientar que a Petrobras já recebeu mais de R$ 5,7 bilhões, a título de ressarcimento, incluindo valores que foram repatriados da Suíça por autoridades públicas brasileiras”.

Por: Agência Brasil

Continue lendo

Popular