conecte-se conosco

Economia

Dólar tem maior queda em duas semanas e fecha a R$ 5,66

Bolsa não segue mercado externo e cai 0,35%

Reuters/Lee Jae-Won

Notícias de que a variante Ômicron do novo coronavírus talvez seja menos letal que o inicialmente previsto trouxeram trégua ao mercado financeiro. O dólar teve a maior queda em duas semanas e voltou a ficar abaixo de R$ 5,70. A bolsa de valores, no entanto, não seguiu o mercado internacional e caiu, num dia de poucas negociações.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (22) vendido a R$ 5,668, com recuo de R$ 0,071 (-1,24%). A cotação abriu em alta, a R$ 5,74, mas caiu após a abertura do mercado nos Estados Unidos. Em pontos percentuais, essa foi a maior queda desde o dia 8, quando a moeda norte-americana tinha caído 1,49%.

Apesar da queda de hoje, o dólar acumula alta de 0,57% em dezembro. Em 2021, a divisa subiu 9,23%.

A trégua no câmbio não se repetiu no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 105.133 pontos, com recuo de 0,35%. O indicador chegou a abrir em leve alta, mas perdeu força durante a sessão e terminou em baixa, mesmo com o avanço das bolsas no mercado norte-americano.

Em todo o mundo, os mercados financeiros tiveram um dia de alívio, após a divulgação de estudos que mostram que a variante ômicron tem baixo índice de hospitalização e que o número de casos na África do Sul, caiu em relação há um mês, quando a variante foi descoberta. O país é apontado como origem da cepa do novo coronavírus.

No Brasil, os investidores repercutiram a aprovação do Orçamento Geral da União de 2022. Apesar de o texto abrir margem para cerca de R$ 113,1 bilhões em gastos no próximo ano, os analistas acreditam que a emenda constitucional que parcelou o pagamento de precatórios e mudou o cálculo do teto de gastos teve impacto menor sobre os gastos públicos que um eventual decreto de calamidade pública.

Por: Agência Brasil

Clique para comentar

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Euro e dólar alcançam a paridade pela primeira vez em 20 anos

Euro alcançou mesmo valor do dólar às 6h45 no horário de Brasília

Publicado

on

Dado Ruvic/Reuters

A taxa de câmbio do euro e do dólar atingiu hoje (12) a paridade pela primeira vez em 20 anos, desde 15 de julho de 2002.

Segundo dados da Bloomberg consultados pela Efe, o euro atingiu a paridade com o dólar às 6h46 (horário de Brasília), ao desvalorizar 0,4% face o fechamento de ontem (11) e 12,05% desde o início deste ano, depois de ter encerrado 2021 a US$ 1,137.

Especialistas acreditam que os recentes aumentos das taxas de juro pela Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed, na sigla em inglês) reforçaram o dólar e encorajaram os investidores a refugiarem-se na moeda, enquanto o risco de recessão e as preocupações energéticas impulsionadas pela guerra na Ucrânia pesam cada vez mais sobre a zona euro.

O iene também continua a se depreciar em relação ao dólar, com a moeda norte-americana sendo negociada a 137 ienes, nível não visto desde setembro de 1998, uma vez que a política monetária do banco central japonês se distancia da praticada pelo Fed e o Banco Central Europeu (BCE).

Por: Agência Brasil

Continue lendo

Economia

China destinará mais recursos à promoção do desenvolvimento global

País vai também aumentar contribuições ao Fundo de Construção da Paz

Publicado

on

Florence Lo/Reuters

A China destinará mais recursos financeiros para promover o que o president Xi Jinping classifica como estratégia de “cooperação para o desenvolvimento global”. A promessa foi feita hoje (24), pelo próprio mandatário chinês, durante o Diálogo de Alto Nível sobre Desenvolvimento Global.

Por videoconferência, Xi Jinping comprometeu-se a destinar mais US$ 1 bilhão ao Fundo de Assistência à Cooperação Sul-Sul, além de US$ 3 bilhões já prometidos. O fundo foi criado em 2016, a pretexto de apoiar os países em desenvolvimento para implementar a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, da Organização das Nações Unidas (ONU), responder a crises humanitárias e adotar medidas para reduzir a pobreza.

Xi Jinping também anunciou a intenção de aumentar as contribuições chinesas ao Fundo de Construção de Paz, criado pela ONU em 2006 para oferecer apoio aos esforços de paz, reconstrução e estabilidade dos países emergentes que enfrentam ou enfrentaram conflitos internos.

“Devemos reconhecer a tendência predominante no mundo, reforçar a confiança e agir com unidade e determinação para promover o desenvolvimento global”, declarou o presidente chinês, segundo a agência de notícias oficial chinesa, Xinhua.

Ainda de acordo com a agência, Xi Jinping conclamou os demais países a apoiar a ONU como instância capaz de coordenar os esforços conjuntos para promover o desenvolvimento global. Para o presidente chinês, a implementação da Agenda 2030 das Nações Unidas e a cooperação devem estar no centro da agenda internacional, principalmente em um contexto em que crescem as diferenças regionais e a insegurança alimentar e energética.

Como resposta aos desafios estratégicos, o presidente chinês propôs a intensificação da transferência de tecnologia e conhecimentos e mais empenho na promoção de inovações científicas e tecnológicas – inclusive para acelerar o processo de transição global para uma economia baseada em baixa emissão de carbono, substituindo o uso de combustíveis fósseis por fontes de energia mais limpa, como as hidráulica e eólica.

Xin Jinping prometeu que a China estabelecerá um centro de promoção do desenvolvimento global e uma rede global para troca de conhecimentos.

Por Agência Brasil

Continue lendo

Economia

Estados Unidos avaliam retirar tarifas sobre a China

Governo americano luta para reduzir inflação

Publicado

on

Valter Campanato/Agência Brasil

O governo dos Estados Unidos está avaliando remover algumas tarifas sobre a China e uma possível pausa no imposto federal sobre o gás, à medida em que luta para combater a alta dos preços da gasolina e da inflação, disseram autoridades de Washington.

A secretária do Tesouro norte-americano, Janet Yellen, afirmou que algumas tarifas impostas à China pelo governo do ex-presidente Donald Trump não têm “propósito estratégico”, e acrescentou que o presidente Joe Biden está revisando-as para tentar reduzir a inflação.

Outra autoridade do governo Biden, a secretária de Energia, Jennifer Granholm, acrescentou que o presidente também poderá suspender o imposto federal sobre o gás como uma opção para baixar os preços.

Os comentários das autoridades acontecem no momento em que o governo Biden sofre para lidar com a inflação e o preço recorde da gasolina.

A presidente do Federal Reserve de Cleveland, Loretta Mester, afirmou que a inflação levará dois anos para cair para a meta de 2% do Banco Central, “caindo” gradualmente.

Yellen, falando à ABC News, disse que o governo está revisando sua política tarifária para a China, mas não citou detalhes e se recusou a dizer quando pode haver uma decisão.

Práticas desleais

“Todos reconhecemos que a China se envolve em uma série de práticas comerciais desleais, com as quais é importante lidar, mas entre as tarifas que herdamos, algumas não têm propósito estratégico e aumentam o custo aos consumidores”, acrescentou.

Yellen não listou tarifas específicas e se recusou a dizer quando o governo Biden pode tomar uma decisão sobre o assunto.

Biden disse, em 2018 e 2019, que estava considerando retirar algumas tarifas impostas por Trump sobre centenas de bilhões de dólares de bens chineses, em meio a uma guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.

Por Agência Brasil

Continue lendo

Popular