conecte-se conosco

Especiais

Entrevista: conheça o deputado federal Julio Cesar Ribeiro e sua trajetória na vida política

Confira entrevista exclusiva com deputado federal, dada ao quadro do O Panorama, Odontologia para Todos

Considerado um dos principais nomes que atuou a frente da Secretaria de Esporte de Brasília em 2012, Julio Cesar Ribeiro (Republicanos-DF), atualmente, deputado federal, conta em bate-papo descontraído ao quadro do O Panorama, Odontologia para Todos, detalhes de sua vida pessoal e trajetória no cenário político brasileiro. 

Nascido em 1975 na cidade de São Bernado do Campo, São Paulo, Julio relata que veio de uma família humilde e que na sua adolescência, assim como na grande maioria das famílias brasileiras, teve suas dificuldades. Os pais brigavam bastante e ambos tinham vícios.

“Eu tinha uma família, como diz, destruída. Meus pais brigavam muito e também havia vícios em casa, tanto por parte do meu pai, como da minha mãe”. 

Na época, segundo Julio, o pai trabalhava na indústria têxtil, mas deixou o trabalho para resolver e superar os problemas familiares. Então mudou-se para o município de Franca, interior de São Paulo, onde passou a frequentar a igreja e atuar como auxiliar de pedreiro, profissão que pagava pouco e o desgaste era muito. 

“Eu confesso a você, bate a tristeza de ver o meu pai chegando no finalzinho do dia com meu avô e todo sujo de barro. Não é pelo fato de ter trabalhado, mas é a pessoa trabalhar muito e receber bem pouco. Quase não dava para sustentar a casa”, desabafa. 

Júlio conta que na mesma época teve uma experiência com Deus, pois depois que os pais passaram a ir à igreja, ele notou uma significativa mudança no ambiente familiar, já não haviam brigas e os vícios tinham cessados. 

“Meus pais começaram a ir à igreja e eu comecei a ver uma transformação naquele ambiente familiar. Já não tinha brigas e meus pais largaram os vícios, meu pai deixou a bebida e minha mãe o cigarro”. 

Durante entrevista, o deputado revela que antes de ingressar na carreira política, ele atuou como office-boy em um escritório de contabilidade e trabalhou como diretor de emissora de televisão, na qual teve a oportunidade de conhecer alguns estados brasileiros. “Rodei um pouquinho o país, trabalhei em Santa Catarina, Salvador, Rio de Janeiro e até mesmo São Paulo na área de comunicação”. No entanto, em razão da experiência que teve na igreja, decidiu deixar o emprego e trancar a faculdade de contabilidade para virar pastor. 

“Larguei tudo para poder fazer a obra de Deus, porque acreditei que aquilo que Deus fez na minha vida, eu deveria fazer na vida das pessoas”.

Em 1993, ainda no município de Franca, Ribeiro, através da igreja, conheceu sua esposa, Sônia, que na época era uma obreira no templo cristão. Um ano depois, em 94, Julio e Sônia se casaram e hoje já possuem 26 anos de parceria.

“Foi tudo muito rápido, a gente namorou, noivou e casou em um período de 10 meses. E para honra e glória do senhor, nós já estamos casados há 26 anos”, comemora.

Foto: Reprodução / Instagram

Quando questionado sobre sua formação acadêmica, Julio alega que em virtude do envolvimento com questões empresariais e a necessidade de ter o conhecimento um pouco mais aprofundado acerca das leis e normas que regem o país, ele decidiu gradua-se em direito pela Universidade Ibirapuera, onde concluiu o curso em 2005, mesmo ano em que se filiou ao partido Republicanos. Ribeiro ainda revela que nunca chegou a exercer a profissão devido aos compromissos do PRB.

“Tenho a carteira da OAB, mas aí fui secretário, depois deputado distrital e agora federal. Vamos ser coerente, não dá para você exercer a função jurídica”.

Como início da trajetória política, Julio Cesar destaca que sua vida profissional nesse meio iniciou-se em 2012, ano em que foi convidado pelo seu partido a compor a Secretária de Esporte do Distrito Federal, para desenvolver e promover diferentes modalidades esportivas e dar visibilidade a secretaria. “Na época, eu sempre gosto de falar isso, era uma secretaria que só falava de futebol e Brasília não tem só futebol. Então nós começamos a potencializar todas as modalidades e demos visibilidade a secretaria”, destacou. Todavia, antes de assumir o cargo de secretário, Júlio relata que sofreu grande resistência ao tomar posse na função.

“Hoje é legal, chegar e falar eu fui secretário de esporte. Mas eu sei as lutas que enfrentei”.

O deputado federal relata que após começar a exercer suas funções na Secretaria, as pessoas costumavam o chamar de forasteiro e a criticar a sua aptidão para o cargo, uma vez que não era esportista e segundo ele, não teria a aparência de um atleta, devido ao seu condicionamento físico.

“Existe aquela visão, o cara que é secretário de saúde, tem que ser médico, é secretário da segurança pública, tem de ser policial. Então, secretário de esporte tinha que ser atleta. Aí as pessoas olhavam para mim e dizia… E, nem cara de atleta ele tem, porque sempre fui gordinho”, revela.

Durante seu exercício na Secretaria, Ribeiro conseguiu a liberação de 12 de Centros Olímpicos que atendiam em média 4 mil pessoas nas comunidades menos favorecidas. “O esporte é um elemento transformador na nossa sociedade. O esporte aliado a educação, forma cidadãos do bem”. Além do fomento as modalidades esportivas, Júlio destaca a importância do incentivo e desenvolvimento de tratamentos odontológicos aliados ao esporte nas comunidades.

“Temos 12 Centros Olímpicos, imagina colocar cadeiras, profissionais ou estagiários para levar atendimento e prevenção odontológica para a comunidade? Isso seria sensacional”.

Em virtude do trabalho realizado com maestria no cargo de secretário do esporte, Julio se candidatou a deputado distrital em 2015 e venceu. Atuou no posto durante quatro anos e foi responsável por desenvolver inúmeros trabalhos e projetos de leis.

“Na Câmara Distrital, desenvolvemos diversos projetos e tivemos várias leis aprovadas em diferentes segmentos. Eu deixei de ser o Júlio do esporte e comecei a ampliar o meu leque de atuação na área da saúde, educação, segurança pública, entre outras”.

Em 2018, o partido do então deputado distrital, viu a oportunidade de candidatá-lo a deputado federal e não deu outra. Com quase 80 mil votos, Julio Cesar Ribeiro conquistou o cargo e hoje já possui dois anos de mandato.

Confira a entrevista na íntegra:

Fique por dentro de tudo que acontece no mundo e ao seu redor seguindo nosso Instagram (@OPanoramaOficial) e se inscreva no nosso canal no YouTube para acompanhar entrevistas exlcusivas de diversos segmentos.

Especiais

Odontologia para todos: saiba quem é Érica Coelho, grande nome do Direito Médico do Distrito Federal

Servidora fala sobre a importância da ética odontológica

Publicado

on

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Em entrevista para o quadro Odontologia para Todos, a cirurgiã dentista Érica Coelho fala sobre a importância da odontologia para a saúde, o casamento do direito com a odontologia e também conta um pouco da sua vida e trajetória. 

“A odontologia é fundamental. Não é luxo, é saúde”. 

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Especialista em Bioética, Mestre em Ciências da Saúde pela UnB, servidora do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e consultora em Direito Odontológico, Érica nasceu em Brasília, e hoje é uma das grandes referências da área da odontologia. 

Depois de concluir a faculdade de Odontologia, em 1999, a cirurgiã serviu o exército por 6 anos, mas teve que deixar de prestar o serviço para focar no seu Mestrado. Como ela mesmo diz, foi um “aprendizado pessoal e profissional”. 

“Foi uma época muito boa, inclusive recomendo para todos que tiverem a oportunidade”. 

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Érica conta que ao sair do Mestrado, ela se via perdida no mercado privado da odontologia, e que no seu tempo de curso, não havia um direcionamento para gestão, apesar de se sentir capacitada na parte técnica. Foi aí que surgiu a vontade de estudar para concurso público, onde começou a sua carreira no direito. 

“Precisei estudar direito para o concurso, e quando comecei me apaixonei. O direito está no nosso dia a dia”. 

Depois de estudar diferentes ramos do Direito, Érica conseguiu passar no concurso do TJDF, trabalhando especificamente com direito jurídico, e posteriormente na área civil, deixando a odontologia um pouco de lado. Durante seu trabalho no Tribunal, ela começou a perceber vários processos na área de saúde, e isso despertou sua atenção, levando Érica a fazer pós-graduação na área de direito médico. 

“Os dentistas e profissionais de saúde precisam descobrir sobre isso. Isso pode evitar muito constrangimento”. 

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Ainda sobre a importância do direito, Érica vê a necessidade de dentistas buscarem conhecimento na área, para evitar possíveis danos e prejuízos a terceiros no exercício de sua atividade 

“É importante estar ligado nas decisões do Conselho Federal de Odontologia do seu Estado”.

Assista a entrevista completa no nosso canal no YouTube. Continue atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos no nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Especiais

Conheça Mucio Eustáquio, um dos maiores nomes do automobilismo brasileiro

Campeão de Drift no Brasil relembra sua trajetória e sua paixão por automóveis

Publicado

on

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Piloto referência em manobras radicais, Mucio Eustáquio, 48 anos, leva milhares de pessoas ao autódromo com seu estilo singular no volante. Inconformado em apenas pilotar, Mucio percorre as pistas com o que faz de melhor, dando “cavalo de pau”, levando seu estilo de forma consciente para o esporte.

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA


A paixão pela velocidade começou logo cedo, filho de mecânico, Mucio viveu a infância dentro da oficina do pai, onde teve contato com os mais diferentes tipos de carro. A vivência em meio aos veículos resultou em um vício pela corrida.


“Eu sempre necessitei de adrenalina, de ocupar meu tempo com o automobilismo”.


Mesmo sendo reconhecido Brasil afora, Mucio faz questão de enaltecer a cidade em que viveu a maior parte da sua vida: Ceilândia. Ele diz que a discriminação com a cidade não o impede de se orgulhar de onde nasceu.

“Nasci na M Norte, sempre fui muito fã da Ceilândia e levanto essa bandeira”.

Além da paixão por carros, Mucio também tem um histórico afetivo com a música. Firmando parceria com o cantor e compositor Hungria, o piloto levou um novo conceito para as pistas de automobilismo, misturando som com manobras radicais. Dessa parceria surgiu o hit “Zorro do Asfalto”, que já conta com mais de 70 milhões de visualizações no YouTube.

“Nós fizemos a junção do automobilismo com a música, duas paixões do
povo brasiliense”.

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Mucio relembra como foi sua jornada até se tornar um dos campeões do Drift, desde o seu primeiro carro — um chevette — até os troféus ganhos durante sua carreira. Mesmo com tantas recordações e tendo trabalhado com diferentes carros, sua memória afetiva está associada a uma Omega Suprema, o carro favorito do esportista.

“Eu sou doido nesse carro. Tem vezes que olho pra ela e até converso”.

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Apesar de todo sucesso e reconhecimento adquirido ao longo da sua carreira de 27 anos de Drift, Mucio também se recorda dos acidentes que teve durante a vida. Um dos acidentes foi em Goiânia, no qual ele perdeu um dos pneus do carro que dirigia, que resultou em 8 capotamentos.

“Fraturei a coluna e tive que ficar em casa por 4 meses”.

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Apesar de todos os acidentes da profissão, Mucio diz sentir falta do autódromo, e ainda critica a desvalorização do governo para este esporte que não só entretém os brasilienses, mas também contribui para o turismo da cidade.

“O automobilismo de Brasília foi jogado às traças por pessoas que nunca foram ao autódromo assistir uma prova”.

Assista a entrevista completa no nosso canal no YouTube. Continue atualizado sobre esportes, política, cultura pop e outros assuntos no nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Especiais

O panorama da Psicologia: Doutora Léia alerta os pais sobre a educação infantil em meio a pandemia

Neuropsicopedagoga fala sobre possíveis dificuldades que crianças possam enfrentar na transição de aulas online e presenciais

Publicado

on

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

O avanço do Covid-19 vem trazendo desafios para a educação de crianças do Ensino Infantil e do Ensino Fundamental. Uma nova realidade que pode gerar frustração para as crianças que precisam adotar novos métodos de estudo. 

Para falar mais sobre os desafios que os pais e responsáveis estão tendo com a educação de crianças e jovens, O Panorama entrevista a Neuropsicopedagoga Léia Lima, que trabalha com os problemas de aprendizagem de crianças, adolescentes e idosos. 

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

“Esse momento de isolamento social vem gerando diversas preocupações nas pessoas, resultando em ansiedade e insegurança.” 

A doutora ainda destaca que não podemos esquecer das crianças que já possuem dificuldades de aprendizado, agora que não possuem a monitoria de seus professores, já que aulas online vem sendo cada vez mais frequentes. 

“As crianças e adolescentes ainda não estão preparados para lidar com essa nova situação, diferente dos adultos que já estão acostumados com aulas online e EAD”. 

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Como uma forma de melhorar o aprendizado dessas crianças que apresentam dificuldades na hora do estudo, a Dra. Léia indica que os pais procurem neuropsicólogos para fazer o acompanhamento da parte de aprendizagem. Ela também frisa a importância de oferecer um ambiente confortável para que as crianças consigam assimilar os conteúdos oferecidos durante as aulas online. 

“Os pais acham que só o fato da criança estar em frente ao computador ela já está aprendendo, o que não é verdade. É necessário a atenção deles enquanto os filhos estão estudando”. 

Outra dica dada pela neuropsicopedagoga para as crianças que possuem dificuldade de concentração e que se distraem com facilidade frente ao computador, é a preparação antes de estudar. É necessário um local que não tenha barulhos, ruídos ou outros estímulos externos para não haver fugas. 

“É necessário que os pais tenham uma rotina em casa, como se as crianças fossem pra escola. Dar banho, alimentá-las e até mesmo vesti-las com o uniforme da escola podem facilitar no processo de aprendizagem”.

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Assista a entrevista completa no nosso canal no YouTube. Continue atualizado sobre esportes, política, cultura pop e outros assuntos no nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Popular