conecte-se conosco

Especiais

O Panorama da Saúde Mental: Especialistas falam sobre medicamentos e concursos públicos

Estudar para concurso pode ser bastante desafiador. Por isso, muitos concurseiros apelam para o uso de medicação. Mas, ela só deve ser usada quando indicada por médicos.

Ser concurseiro demanda muito foco e determinação, e começar a estudar para uma prova é uma tomada de decisão difícil que envolve muitas questões. Quantas horas se dedicar aos estudos, quais técnicas adotar, quais erros não cometer e conciliar a rotina do dia a dia com os estudos, dentre outras questões. Isso não é uma tarefa fácil, o que leva muitos estudantes a fazerem o uso de medicações.

Em conversa sobre o tema, conduzida pela psicóloga Camila Virgínio, no Instituto de Medicina e Psicologia Integradas (IMPI), o defensor público Dr. Vinicius Reis e a médica psiquiatra Dra. Angelica Cappellesso falaram sobre estudo para concursos e os momentos em que uma medicação é ou não indicada para auxiliar em questões de concentração.

A Dra. Angelica explicou que essas medicações funcionam como um estimulante no sistema nervoso central, promovendo o aumento dos neurotransmissores. Os medicamentos são indicados para quem tem Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), que é uma doença de neurodesenvolvimento identificada, na maioria dos casos, na infância ou na adolescência.

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

“Quando falamos em psicoestimulantes, estamos falando do metilfenidato, que é o composto da ritalina e da Lisdexanfetamina, que é o composto do venvanse. Essas são medicações utilizadas para o tratamento do TDAH, também para a narcolepsia, que é um distúrbio do sono e, também, para algumas depressões. Mas, o principal uso da medicação é para o TDAH. Para alguns adultos, o diagnóstico passa batido e são descobertos quando a pessoa começa a reparar em questões como a falta de atenção e a imperatividade”, explica a Dra. Angelica Cappellesso.

De acordo com a médica, quem tem TDAH, tem uma alteração neuroquímica na região do lobo frontal, com a diminuição de neurotransmissores, o que deixa a pessoa mais desatenta e a torna mais hiperativa e impulsiva. O medicamento, por sua vez, causa o aumento desses neurotransmissores, trazendo-os para um nível normal, gerando uma melhoria na concentração e fazendo com que o indivíduo se sinta mais focado ao usá-lo. Mas, o uso deve sempre ser indicado por um médico especialista.

Se por um lado os medicamentos ajudam aqueles que têm TDAH diagnosticado, por outro, o remédio pode acarretar uma série de problemas. Além disso, em um primeiro momento, o medicamento pode trazer sensação de maior disposição, concentração, menos sono e um rendimento melhor, mas, de acordo com os especialistas, são efeitos subjetivos e sem capacidade de mudar o desenvolvimento cognitivo do estudante.

“Para uma pessoa que tem TDAH, a medicação faz um nivelamento e essa pessoa passa a ter uma vida normal, conseguindo resolver todos os déficits. O concurseiro que não tem TDAH, já tem um funcionamento normal, então ao usar medicamento, ele está usando um neurotransmissor em excesso. A pessoa fica em estado de alerta, fica mais acordada, tem aumento de dopamina, sensação de não estar cansado, mas ela não aumenta a capacidade cognitiva, nem o desempenho”, pontua a médica.

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Após a conversa sobre questões importantes do uso de medicamentos para foco e concentração, o Dr. Vinicius Reis falou um pouco sobre a execução de uma rotina de estudos e contou sobre as questões que observa em relação ao uso de medicamentos, por uma perspectiva prático. O ex-concurseiro e eterno estudante, proprietário do Espaço Mege, um ambiente destinado a estudo, acompanha a trajetória de muitos estudantes há anos e vivencia de perto os resultados de quem faz o uso de medicamentos e dos estudantes que não fazem.

Tendo como referência sua trajetória, o Dr. Vinicius acredita que houve uma época em que as pessoas igualmente se preparavam para concursos públicos, com os mesmos objetos e com as mesmas ansiedades. Era uma época em que não se falava sobre o uso de medicamentos que aumentassem a capacidade cognitiva de aprendizados.

“Eram outros tempos e tudo acontecia de forma natural, a pessoa se enfiava nos livros, tinha muita dedicação na disciplina dela e se disponibilizava a estudar. Hoje, tem sido muito comum essa difusão do uso de medicamentos para auxiliar a capacidade cognitiva. Na minha visão, as pessoas querem aprender mais e em menos tempo e acham que o medicamento pode auxiliar. O que posso dizer é que tenho visto pessoas com um desempenho brilhante sem precisar usar qualquer tipo de medicamento e outras que, embora recorrendo a medicamentos, não tem alcançado os seus resultados”, opina Dr. Vinicius.

Ainda, de acordo com o Defensor Público, para aqueles que não tem TDAH, existem formas naturais de organizar uma rotina de estudo, sem precisar recorrer ao uso de medicamento. Entre os pontos citados durante a entrevista, destaca-se: dormir bem, manter uma alimentação saudável e um ambiente adequado para os estudos.

O Dr. Vinicius usou como exemplo o fato de que muitas pessoas têm dificuldade de estudar em casa, devido a questões como barulho e ambiente conturbado. Há, ainda, pessoas que, mesmo sozinhas em casa, não conseguem se concentrar, por causa de distrações como televisão e celular. Nesses casos, as salas de estudo podem ser uma boa saída, onde outras pessoas estão focadas no mesmo objetivo.

Para entender mais sobre preparação para concurso público e o uso de medicamentos, confira a entrevista completa com o defensor público Dr. Vinicius Reis e a médica psiquiatra Dra. Angelica Cappellesso no canal de Youtube do O Panorama.

IMPI–Instituto de Medicina e Psicologia Integradas

RT: Dalton Garcia Leão CRM 4453

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Especiais

Odontologia para todos: Cirurgião Frederico Felipe fala sobre cirurgia bucomaxilofacial e novas tecnologias aliadas à odontologia

Com especialização também pelo John Peter Smith Hospital, em Nort Worth no Texas (EUA). Dr. Frederico Felipe hoje é Chefe de Residência no Hospital de Base de Brasília.

Publicado

on

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

O quadro Odontologia Para Todos, traz desta vez o cirurgião dentista Dr. Frederico Felipe para um bate-papo sobre cirurgia bucomaxilofacial, a influencia da tecnologia na formação e nos tratamentos e mais.
Graduado pela Universidade Federal de Uberlândia, Frederico Felipe é mestre e doutor em cirurgia bucomaxilofacial e chefe do programa de residência e treinamento em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial do Hospital de Base de Brasília.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

Em conversa com o Dr. Ricardo Paulin, Frederco falou um pouco sobre sua trajetória de estudos e especializações que o levaram a conquistar uma carreira de prestígio e de grande responsabilidade e influência na formação de novos cirurgiões para a área em que atua.

“Eu sou graduado pela Universidade Federal de Uberlândia, fiz residência e mestrado também pela Universidade Federal de Uberlândia e fui professor da mesma universidade. Depois retornei a Brasília onde iniciei meus trabalhos na Secretaria de Saúde do Distrito Federal e saí pra fazer doutorado na Universidade Estadual de Campinas, a UniCamp”, iniciou o doutor.

De volta a Brasília onde trabalhou na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, o Dr foi aceito no programa do hospital universitário do Texas nos Estados Unidos, John Peter Smith Hospital em Fort Worth, onde acompanhou a rotina do hospital por 06 meses e estudou com grandes mestres da cirurgia ortognática mundial.

Quando questionado sobre sua decisão de voltar ao Brasil após a experiência nos Estados Unidos, o Dr Frederico Felipe falou sobre os motivos que impactaram em não permanecer em solo americano, apesar das propostas.

“Na verdade essa é uma pergunta que eu me faço ainda, eu tive a oportunidade [porque] o profissional com formação acadêmica ele é muito bem quisto no mercado americano e eu tive a oportunidade de ficar. Como eu fui liberado pra fazer o custo de doutorado com ônus pra Secretaria de Saúde, eu fui com um salário eu não achei justo ficar. Resolvi voltar pra ofertar o que eu tinha aprendido na minha formação no Estados Unidos, aqui no Brasil”, relata Frederico.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

De acordo com o cirurgião a formação mudou muito ao longo dos anos, mas um dos principais impactos foi os avanços e contribuições que a implementação digital trouxe para a odontologia. Para Frederico Felipe uma das vantagens da tecnologia nas cirurgias é a previsibilidade e o planejamento realizado de maneira mais fidedigna garantindo ainda mais conforto e segurança ao paciente que consegue ter uma visão real sobre seu caso e as possibilidades que o tratamento permite.

Como professor de graduação Felipe falou ainda sobre os desafios enfrentados pelos estudantes que estão se formando na era pós-pandêmica e sobre a importância da educação para aqueles que tem o desejo de participar de um programa de especialização como a residência oferecida pelo Hospital de Base de Brasília.

“É um grande desafio o mercado hoje, então na verdade você precisa de reinventar o tempo todo, quando nós nos formamos nosso sonho era montar um consultório e trabalhar e hoje apenas isso não é sinônimo de sucesso. A odontologia é muito grande ainda tem muito espaço pra gente trabalhar e para explorar. E para aqueles que querem entrar no programa de residência minha dica é: estude, é um programa muito pesado e que seleciona sempre os mais preparados, longe dos livros e fora dos estudos não temos salvação” finalizou o doutor Frederico Felipe.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

Acompanhe a entrevista completa com o doutor cirurgião dentista Frederico Felipe acesse o canal do O Panorama no Youtube.

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Especiais

O Panorama da Saúde Mental: Sérgio Roberto fala sobre o método “Jus-Jitsu” – A arte do concurseiro

Sérgio Roberto é defensor público e criador do método Jus-Jitsu – A arte do concurseiro, que visa auxiliar os estudantes a passarem em concursos públicos ao trabalhar a constância e o fortalecimento psicológico.

Publicado

on

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

Sabe-se que a maioria dos jovens sonha com uma aprovação em concurso público, mas a inconstância e ansiedade acabam por atrapalhar essa jornada. Foi enfrentando estas dificuldades que o defensor público Sérgio Roberto desenvolveu o método conhecido como Jus-Jitsu – A arte do concurseiro.

“A maior dificuldade que as pessoas têm é a de manter a disciplina necessária para passar em concurso. Aí desenvolvi um método baseado no Jiu-Jitsu. É feita uma analogia que vai ajudar você a manter a ‘coisa’ mais divertida e a se manter mais focado nessa estrada”, conta Sérgio Roberto.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

São utilizados princípios da gamificação, muito relacionada à arte marcial Jus-Jitsu, em que se trabalha motivação, capacidade de ver evolução com rankings, campeonatos, afirmações dos bons e maus resultados e interação entre as pessoas. De acordo com Sérgio, existe uma parte muito forte da gamificação que torna todo processo mais divertido.

“É aí que entra uma parte muito boa do conhecimento, que é a interação social. Nós promovemos muito essa interação social entre os concurseiros, porque se você quer se tornar um dançarino bom, você deve andar com bons dançarinos. Se você quer se tornar um concurseiro bom, você tem que estar em contato com concurseiros”, exemplifica Sérgio.

A interação social é um ponto importante no desenvolvimento do método e, de acordo com Sérgio, garante bons resultados.


Sérgio Roberto falou ainda sobre outro aspecto importante que deve ser trabalhado para que haja resultados positivos na participação em um concurso público. Mais do que os estudos, um ponto primordial para o sucesso nos concursos públicos, e que muitas vezes é negligenciado, é a construção do trabalho psicológico.


“Eu diria que a principal coisa que atrapalha os alunos é o desconhecimento da realidade. Quando a pessoa começa a estudar para concurso, ela acha que vai resolver a vida dela em seis meses. Essa não é a realidade dela, assim como não foi a minha e não é a realidade da maioria”, afirma Sérgio Roberto.

O defensor público relembra que qualquer trabalho sério que envolve concurso público e educação é um trabalho para longo prazo.


“Quando eu falo de um trabalho para longo prazo, quero dizer um trabalho para um ano, três anos, cinco anos; qualquer coisa antes disso para mim vai ser uma surpresa muito grande. Existe ainda o contraponto que são as pessoas que acham que vão resolver em três meses e vão com muita sede ao pote e querem estudar seis horas, oito horas, às vezes 10 horas por dia. E essa também não é a realidade da maioria”, diz Sérgio.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

De acordo com Sérgio, o que precisa ser feito é trabalhar o equilíbrio e manter a constância no que se propõe a fazer para manter a rotina até se conquistar o objetivo final.

“Encare isso como uma caminhada de 2.400 quilômetros. Se você caminhar 6 quilômetros todos os dias, completará a jornada de maneira tranquila, em determinado período. Mas, se no início tentar caminhar 20 ou 15 quilômetros por dia, o que vai acontecer é que, em poucos dias, você não conseguirá mais caminhar”, explica o defensor.

Sérgio também falou das maneiras que o Instituto de Medicina e Psicologia Integradas pode contribuir para que o concurseiro mantenha constância e equilíbrio, gerando, como consequência, a diminuição do número de desistências ao longo do processo.

“Assim como um grande time de futebol precisa ter um departamento médico, o IMPI pode entrar com essa parte do auxílio médico-psicológico”, completou Sérgio Roberto.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

Para entender mais sobre o método Jus-Jitsu e a importância do trabalho psicológico, nesta jornada até a aprovação em concurso público, assista à entrevista completa com Sérgio Roberto no canal do Youtube do O Panorama.

IMPI–Instituto de Medicina e Psicologia Integradas
RT: Dalmo Garcia Leão CRM 4453

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Especiais

Odontologia Para Todos: Jorge Faber fala sobre a técnica do Benefício Antecipado e o cenário da odontologia a nível nacional e internacional

Pioneiro mundial em diferentes campos, o doutor Jorge Faber foi o precursor do Benefício Antecipado para o tratamento de deformidades dentofaciais.

Publicado

on

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

O quadro Odontologia Para Todos recebe o Dr. Jorge Faber para uma conversa sobre técnicas e tratamentos e a importância do profissional para a qualidade de vida da população.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

Nascido em Brasília, Jorge Faber é ex-editor-chefe do Journal of the World Federation of Orthodontists e editor-emérito do Dental Press Journal of Orthodontics.

Com mais de 100 artigos publicados em revistas científicas e pioneiro mundial em diferentes campos, Dr Faber começa a entrevista falando sobre uma figura de primordial importância no desenvolvimento de sua carreira o Dr. Dante Bresolin, um dos pioneiros da odontologia em Brasília.

“Professor Dante foi uma pessoa de uma alma diferente, ele sem sombra de dúvidas foi uma das pessoas que mais influenciaram na minha carreira, já desde aluno. Além de professor foi um grande amigo, e é uma pessoa que eu sinto muita falta”, disse Faber.

Defensor do Benefício Antecipado na cirurgia Ortognática, o Doutor Faber falou ainda dos impactos da técnica na qualidade de vida dos pacientes.

“Os trabalhos mais recentes e que comparam e contrastam o Benefício Antecipado com as alternativas tradicionais de tratamento, ou seja, que envolve a descompensação dos dentes pra depois operar tem mostrado que o Benefício Antecipado é melhor para o paciente”, falou o doutor.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

De acordo com o Doutor o método se mostra melhor não em termos de resultados, pois os resultados são assemelhados, mas o benefício em termos de qualidade de vida para o paciente é flagrantemente melhor.

Entretanto Faber ressalta a complexidade do Benefício Antecipado do ponto de vista ortodôntico.

“Por ser uma técnica ortodôntica e não apenas cirurgia, embora envolva a cirurgia, requer um planejamento combinado que exige do ortodontista um conhecimento de como se planeja uma cirurgia ortognática, junto com a necessidade de domínio do uso de ancoragem esquelética”, disse o ortodontista.

Outro ponto abordado pelo Dr. Jorge Faber na entrevista foi a apneia do sono em crianças. O tema tem sido palestrado por Faber em diversos lugares e é um assunto importante a ser discutido.

Faber ressalta que em 1995 começou a tratar apneia do sono com aparelhos intraorais em adultos, e foi da apneia do sono que surgiu a ideia do Benefício Antecipado.

“Me pareceu muito obvio que se o paciente sofre de apneia do sono ele não pode realizar um preparo para cirurgia ortognática que acontecerá daqui a oito meses, um ano”, completou.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

Para Faber, muitos dos problemas tratados em adultos poderiam ser tratados quando ainda criança e assim melhorar muitos destes padrões respiratórios. Ele completa que foi deste ponto que veio sua crescente atenção ao tema.

Jorge Faber falou ainda sobre o uso dos, hoje tão famosos, alinhadores em crianças e idosos. Para ele é uma alternativa fantástica de tratamento para os idosos, tornando o tratamento possível e menos incômodo.

“À medida que a gente envelhece, diminui o nosso fluxo salivar, e o parelho fixo se torna muito difícil de ser usado por uma pessoa mais velha, ele tem um atrito muito grande e traumatiza muito a mucosa. Além disso, os alinhadores acabam preenchendo as duas deficiências que temos com aparelho fixo pois torna o parelho mais confortável como também permite uma higiene melhor”, disse o Dr Faber.

Já em relação aos alinhadores em crianças Dr. Faber observou que é um campo que ainda precisa ser analisado para entender melhor quando esses alinhadores se enquadrariam de forma mais ideal.

“Particularmente vejo que os alinhadores, quando são bem tolerados e utilizados pelos pacientes são sempre uma ótima opção. Claro, desde que o tratamento seja bem planejado, porque por mais que existam propagandas sobre algoritmos que planejam tratamentos na verdade eu nunca vi planejamento feito com alinhadores que não requeresse uma grande quantidade [de neurônios queimados] pelo ortodontista”, completou.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

Palestrante internacional, Doutor Jorge Faber falou ainda sobre a diferença entre a odontologia nacional e de outros países.

“Temos alguns pontos muito bons, como produção científica fantástica, grande número de profissionais que são do mais alto nível no cenário mundial […] então a odontologia brasileira é uma referência”, conta Jorge Faber.

Mesmo com uma avaliação altíssima à frente de diversas áreas e sendo referência internacional. Faber citou ainda a necessidade de se entregar a comunidade um profissional de saúde que, comprovadamente, tenha um conhecimento pelo menos básico em uma área tão importante de atuação.

“Nós vemos lugares como a Tailândia, Dubai, Austrália, Estados Unidos, onde o aluno precisa fazer uma prova semelhante a prova da OAB para exercer sua profissão. E o que nós fazemos aqui com uma quantidade enorme de jovens onde a gente vende um sonho e colhe o pesadelo, que o pesadelo de não saber o suficiente para entrar no mercado de trabalho”, explicou o doutor.

Jorge falou ainda sobre importantes mudanças no ensino ortodôntico e outros pontos importantes para esta área no Brasil. Para acompanhar a entrevista completa acesse o canal do O Panorama no Youtube, clicando aqui.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Popular