conecte-se conosco

Automobilismo

Pietro Fittipaldi estreia na F1 no lugar de Grosjean no GP de Sakhir

Piloto principal da Haas se recupera de grave acidente Bahrein

Foto: Haas F1 Team/Direitos Reservados

O piloto brasileiro Pietro Fittipaldi, de 24 anos – neto do bicampeão mundial Emerson Fittipaldi -, terá sua primeira chance como piloto principal da Haas na Fórmula 1, no próximo domingo (6), quando substituirá  Romain Grosjean, lesionado ontem (29) após escapar um grave acidente no Grande Prêmio do Bahrein. O piloto francês se recupera de ferimentos em ambas as mãos.

A estreia do brasileiro será no GP de Sakhir, pela 16ª rodada do Campeonato Mundial de F1, no Circuito de Bahrein. Ele será o 32º brasileiro no Circuito Mundial de F1. Desde 2017, quando Felipe Massa se aposentou das pistas, o país não tinha representantes na categoria.  Nesta temporada, Pietro participou como piloto reserva e de testes da escuderia norte-americana, na maioria das corridas de F1.Em nota oficial da Haas, o brasileiro revelou que se sente preparado para o desafio.

“Mais importante do que eu estar feliz é Romain [Grosjean] está seguro e saudável”, comentou Pietro Fittipaldi. “Estamos todos muito felizes por seus ferimentos serem relativamente leves após um incidente tão grande. Obviamente, não é um conjunto de circunstâncias ideal para obter minha primeira oportunidade de competir na Fórmula 1, mas sou extremamente grato a Gene Haas e Guenther Steiner por sua fé em me colocar ao volante neste fim de semana”. 

Na próxima sexta (4), Pietro assume o volante da do modelo VF 20, como piloto principal da Haas, nos treinos de abertura. Guenther Steiner, chefe da escuderia, está confiante no desempenho de Fittipaldi Neto.

“Pietro vai pilotar o VF-20 e ele está familiarizado com o fato de ter estado com a equipe nas últimas duas temporadas como piloto de teste e reserva. É a coisa certa a fazer e é obviamente uma boa oportunidade para ele. Ele foi paciente e sempre estava preparado para esta oportunidade – e agora ela chegou. É por isso que o queremos no carro e tenho certeza que ele fará um bom trabalho. É muito exigente ser chamado no último minuto, mas como eu disse, acho que é a coisa certa a fazer pela Haas F1 Team”.

Por: Agência Brasil

Clique para comentar

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Automobilismo

Covid-19 tira provas de Chile e Marrocos de calendário da Fórmula E

Categoria anuncia rodadas duplas em México, EUA, Inglaterra e Alemanha

Publicado

on

Foto: Audi Communications Motorsport

A Fórmula E alterou o calendário da temporada 2020/2021. Segundo comunicado da categoria de carros elétricos, divulgado nesta quinta-feira (22), as etapas de Marrakesh (Marrocos), em 22 de maio, e Santiago (Chile), entre 5 e 6 de junho, deixaram a competição devido ao estágio da pandemia do novo coronavírus (covid-19) nos locais. Já a rodada dupla prevista para 19 e 20 de junho migrou da Cidade do México para Puebla (México), porque o circuito da capital (Autódromo Hermanos Rodriguez) é utilizado como hospital de campanha.

A categoria também anunciou as seis corridas que encerrarão a temporada, divididas em três rodadas duplas. A primeira será em Nova Iorque (Estados Unidos), entre 10 e 11 de junho. Depois, a Fórmula E vai para Londres (Inglaterra), com provas nos dias 24 e 25 de julho.

A sétima edição do campeonato mundial dos carros elétricos chega ao fim em Berlim (Alemanha), entre 14 e 15 de agosto. No ano passado, o Aeroporto de Tempelhof, na capital alemã, recebeu as seis provas finais da competição, em formato de bolha sanitária, em nove dias.

A temporada atual terá 15 provas, superando o recorde anterior da história da categoria (13, na edição de 2018/2019). Quatro corridas foram disputadas até o momento, após rodadas duplas em Al-Diriyah (Arábia Saudita) e Roma (Itália). As próximas etapas serão em Valencia (Espanha), no circuito Ricardo Tormo, nestes sábado (24) e domingo (25). Em seguida, a Fórmula E vai para Mônaco, com disputa única em 8 de maio.

O britânico Sam Bird, da escuderia Jaguar, lidera a temporada com 43 pontos, seguido pelo neozelandês Mitch Evans, seu companheiro de equipe, com 39 pontos. O neerlandês Robin Frinjs (Virgin), com 34 pontos, é o terceiro. O brasileiro mais bem colocado é Sérgio Sette Câmara (Dragon Penske), em 13º, com 12 pontos. Lucas Di Grassi (Audi), campeão na edição 2016/2017, está em 18º, com seis pontos.

Por: Agência Brasil

Continue lendo

Automobilismo

Formula E tem quarto vencedor diferente em quatro corridas

Belga Stoffel Vandoorne conquistou triunfo em Roma

Publicado

on

Foto: Audi Communications Motorsport/Direitos reservados

Na segunda prova do fim de semana realizada em Roma, na Itália, o piloto belga Stoffel Vandoorne foi o grande vencedor da quarta etapa do campeonato da Fórmula E. De quebra, Vandoorne, que corre pela equipe Mercedes-EQ, também registrou a volta mais rápida da corrida, somando mais um ponto e subindo do 15º para o quarto lugar na disputa pelo título da temporada.

O belga largou na quarta posição neste domingo (11), mas ao longo da prova superou os adversários e conseguiu segurar a posição, mesmo depois de uma última volta emocionante na sequência da saída do safety car da pista. O pódio foi completado com o britânico Alexander Sims, da Mahindra Racing, em segundo e o alemão Pascal Wehrlein, da Porsche, em terceiro.Com o resultado, Stoffel Vandoorne foi o quarto piloto diferente a ganhar uma prova nesta temporada, em quatro corridas. Nyck de Vries, Sam Bird e Jean-Éric Vergne (neste sábado, na primeira corrida em Roma) foram os outros vencedores.

O brasileiro Lucas Di Grassi, pela segunda prova seguida, não conseguiu terminar a corrida. Depois de abandonar por problemas mecânicos quando era líder no sábado, desta vez ele foi tocado pelo suíço Sébastien Buemi e teve a frente do carro destruída, ficando impossibilitado de seguir.

“Fizemos um grande esforço para tornar o carro competitivo. E conseguimos, ontem e hoje. Mas infelizmente os dois dias terminaram por motivos fora de nosso controle. Mas tempos difíceis fazem as pessoas mais fortes”, disse Lucas, que corre pela Audi Sport.

O outro brasileiro da categoria, Sérgio Sette Câmara, da Dragon/Penske, terminou na 12ª posição, ou seja, fora da zona de pontuação.

Após quatro etapas, o campeonato é liderado por Sam Bird, da Jaguar Racing, seguido pelo companheiro de equipe, o australiano Mitch Evans e pelo holandês Robin Frijns, da Envision Virgin Racing.

As próximas duas corridas serão disputadas em Valência, na Espanha, no fim de semana dos dias 24 e 25 de abril.

Por: Agência Brasil

Continue lendo

Automobilismo

Carioca quer seguir roteiro vitorioso de brasileiros na F3 Britânica

Aos 17 anos, Roberto Faria disputa 1ª temporada completa na categoria

Publicado

on

Foto: Jakob Ebrey

Ver brasileiros “invadindo” autódromos britânicos e sendo vitoriosos não é novidade. Pilotos do calibre de Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna são alguns que tiveram esse gostinho na trajetória que os levou para brilhar no topo da Fórmula 1. Eles foram campeões da Fórmula 3 Britânica, uma das categorias de acesso ao automobilismo europeu e que, por muitos anos, foi a principal porta de entrada ao mais importante campeonato à motor do mundo.

Aos 17 anos, Roberto Faria inicia a segunda temporada dele (a primeira completa) na F3 Britânica entre os dias 22 e 23 de maio. Até o momento, ele é o único brasileiro confirmado na competição, que terá oito etapas e segue até outubro. Ele chegou nesta quinta-feira (18) na Inglaterra, onde iniciará os treinos a partir do próximo dia 28, em Silverstone.

“Mesmo sendo um dos mais novos, quero brigar pelo título. Acredito que a gente tem bastante chance, por ter mais experiência com o carro. No ano passado, fiz metade [da temporada] na Fórmula 4 [Britânica] e metade na F3 e fui melhorando. Fiquei em segundo na última corrida [de 2020, pela F3]”, disse o piloto carioca, da escuderia Fortec Motorsports, em entrevista à Agência Brasil.

Roberto Faria, F3 Britânica, piloto, carro, Silverstone
Até o momento, Roberto Faria, é o único brasileiro confirmado na F3 Britânica, que começa entre os dias 23 e 24 de abril – Jakob Ebrey/Direitos reservados

lockdown pelo qual passou a Inglaterra no início do ano, devido à segunda onda da pandemia do novo coronavírus (covid-19), adiou o retorno do piloto carioca, que acabou se aventurando brevemente na Fórmula 3 Asiática, entre janeiro e fevereiro, nos Emirados Árabes Unidos. Foram 15 provas em menos de um mês. “Vários pilotos de alto nível participaram, inclusive alguns da Fórmula 2 [como o chinês Guanyu Zhou, que foi o campeão], como forma de preparação”, disse Farias, que terminou o evento em 18º lugar.

Roberto iniciou no kart em 2014, viajando cerca de 90 quilômetros, sempre que precisava treinar, do Rio de Janeiro até o kartódromo de Guapimirim (RJ). Foram cinco anos competindo no Brasil até se mudar para a Inglaterra e passar a correr na Fórmula 4 Britânica. Na primeira temporada, foi o 11º na classificação geral e o terceiro melhor entre os iniciantes. Na segunda, antes de migrar para a F3, o carioca subiu duas vezes ao pódio e brigou pelas cinco primeiras colocações.

“Em 2019, eram 30 mil pessoas para assistir às corridas da Fórmula 4 todo fim de semana. [O Reino Unido] É o polo do automobilismo mundial, com muitas equipes tradicionais. Eu podia ter continuado no Brasil, no kart ou até mesmo alguma categoria de base, mas a gente colocou na balança e viu que era muita a diferença na qualidade do equipamento, pistas e infraestrutura”, contou o jovem, que vive e estuda em Hastings, a cerca de duas horas de trem de Daventry, onde fica a sede da equipe.

Tradição

A Fórmula 3 Britânica surgiu nos anos 50 e foi disputada regularmente até 2014. A crise financeira vivida pela categoria na década de 2000 e o surgimento da F3 Europeia, que afastou montadoras e pilotos, interromperam o campeonato, que já não ocorreu em 2015. Além de Fittipaldi, Senna e Piquet, outros nove brasileiros foram campeões nesse período: José Carlos Pace, Chico Serra, Maurício Gugelmin, Rubens Barrichello, Gil de Ferran, Mario Haberfeld, Antônio Pizzonia, Nelsinho Piquet e Felipe Nasr. Somente o Reino Unido teve mais títulos.

Em 2016, o Clube Britânico de Pilotos de Corrida (BRDC, sigla em inglês) assumiu a realização do campeonato. O primeiro título da “nova” F3 Britânica foi justamente de um brasileiro: Matheus Leist, que superou, entre outros rivais, o inglês Lando Norris, atualmente na McLaren, na Fórmula 1.

Por: Agência Brasil

Continue lendo

Popular