conecte-se conosco

Educação

Retrato dos professores: realidade do ensino remoto em meio à pandemia

O Dia dos Professores é comemorado nesta quinta-feira (15). Veja uma panorama da situação atual dos profissionais da educação no Brasil

Professora e alunos antes da pandemia
Foto: Arquivo Pessoal

Nesta quinta-feira (15), é comemorado o Dia do Professor. Porém, muitos não têm o que celebrar, visto as grandes dificuldades enfrentadas nos últimos meses no país.

Em um ano atípico, a profissão de professor foi bastante impactada pelo distanciamento social. Quem estava acostumado a entrar em sala de aula e lecionar olhando no olho de cada aluno, agora se contenta com o ensino remoto, que ganhou força no Brasil sobretudo a partir de março, a fim de evitar o crescente contágio de COVID-19.

O ensino remoto obrigatório pegou diversos professores de surpresa, que, antes da pandemia, tinham pouca ou nenhuma experiência na modalidade. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), elaborou uma pesquisa sobre a porcentagem de professores com experiência prévia de ensino remoto antes da pandemia. Veja tabela abaixo.

Educação infantil9%
Ensino Fundamental I10%
Ensino Fundamental II12,3%
Ensino Médio16%

O Brasil tem 2,6 milhões de professores. Os dados são do Censo Escolar 2018 (Ensino Superior) e 2019 (Educação Básica), pesquisados pelo Ministério da Educação (MEC).

Os professores correspondem, aproximadamente, a 1,2% da população brasileira e estão divididos entre a educação básica e superior. Do total, cerca de 2,2 milhões trabalham na educação básica; dentre eles, 1,7 milhão atuam na rede pública de ensino. Já os outros 500 mil são professores de escolas particulares. Por fim, 397 mil professores lecionam no ensino superior; 214 mil em universidades privadas e 183 mil em universidades públicas em todo o país.

Dificuldades do ensino a distância

O ensino remoto jogou luz a outro problema no Brasil: o acesso à internet. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) divulgou, em abril deste ano, que uma em cada quatro pessoas no Brasil não tem acesso à internet. Ao comparar os números com as áreas rurais, a dificuldade de se conectar fica ainda mais em evidência, pois 53,5% das pessoas em áreas rurais não têm acesso à internet. Os dados da pesquisa são referentes ao último trimestre de 2018.

Regiões mais pobres e com menos incentivo à educação tendem a ter dificuldades cada vez maiores, se comparadas com áreas mais desenvolvidas do país. A professora Juliana Freire Fernandes dá aula em uma escola de São Sebastião e vive na pele os desafios de se lecionar em um colégio na região periférica do Distrito Federal. As dificuldades aumentam ainda mais com a suspensão das aulas presenciais e o início do ensino remoto.

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama.

A maior parte de seus estudantes não tem acesso à internet de qualidade, e Juliana precisa encontrar meios de driblar a situação. Para ela, o maior desafio dessa pandemia, como professora de região periférica, é não perder nenhum estudante.

“Absenteísmo e evasão são desafios reais do dia a dia da escola pública. Mais do que uma “fábrica de conhecimentos”, a escola é um lugar de acolhimento. Durante o distanciamento, as desigualdades e as carências sociais e afetivas ficam muito agravadas. A maior parte dos estudantes não tem acesso à internet de qualidade, então é difícil chegar até ele”, desabafa a professora.

A educação muda vidas

Mas nem toda a experiência como professora se resume às dificuldades. Ela conta que queria mudar o mundo.

“Eu achava que a única forma de fazer isso era pela educação. Hoje eu sei que era um devaneio. Não dá para mudar o mundo, mas ajudei a construir várias vidas”, relata.

Apesar da estabilidade, os professores do ensino público carecem de várias condições básicas. Porém, isso não desmotiva Juliana a continuar fazendo a diferença na vida de seus alunos.

Ao lembrar de uma boa memória na carreira, a professora fala de uma experiência que teve ao lecionar em uma escola de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Ela conta que a escola era conhecida por ser violenta, mas que sua forma de dar aula mudou a visão de alguns alunos sobre a importância da educação.

“Entrei para dar o último horário, havia 50 estudantes dentro de sala de aula e eles me perguntaram se eu ia fazer chamada. Eu disse que daria presença a todas e todos, quem quisesse podia ir embora sem prejuízo na presença pois eram maiores de idade. Quando o sinal tocou, nenhum estudante levantou para ir embora. Quando eu estava trancando a sala, ouvi um dizer para o outro ‘é a primeira vez que eu assisto uma aula até o fim’”, recorda Juliana.

A experiência de Juliana salienta uma questão muito delicada no Brasil, independentemente da pandemia: a violência nas escolas. Os dados globais de agressão aos professores são alarmantes, e o país apresenta a pior situação. Segundo uma pesquisa realizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que considera informações datadas de 2013, o Brasil ocupa o 1º lugar no ranking de violência contra os professores. Segundo o levantamento, 12,5% dos educadores entrevistados no país eram vítimas de agressões verbais ou de intimidação de alunos por, pelo menos, uma vez por semana. Logo após o Brasil, estão a Estônia (11%) e a Austrália (9,7%).

Esperança para o futuro

Professora há seis anos, Érica Cavalcante dá aula na Escola Classe 01 de Sobradinho e não aguenta de saudade das crianças com quem compartilhava seus dias. Mas, mesmo nos encontros virtuais, a alegria dos alunos contagia a professora.

“O primeiro encontro virtual com a turma foi muito emocionante. Depois de conversarmos sobre como cada um esteve durante esse período, trabalhamos algumas adivinhas. Quando terminei, um aluno propôs outra adivinha pra turma e as crianças começaram a interagir entre si, tentando adivinhar. Rever a espontaneidade e a alegria das crianças em meio a isso tudo me deu esperança” afirma a professora.

Foto: Arquivo Pessoal

Apesar de ser professora da educação infantil, Érica Cavalcante se preocupa com os alunos a longo prazo. Os problemas parecer crescer principalmente durante a quarentena, tanto para os professores, quanto para os alunos e os pais das crianças. Érica aponta que o melhor cenário para o professor é acompanhar de perto cada aluno e trabalhar as dificuldades individuais de cada criança. Porém, esses desafios são resolvidos de forma online.

“Pedagogicamente, há lacunas que só são preenchidas através de um acompanhamento mais próximo aos alunos. O fato de não poder observar a construção do conhecimento dos alunos e fazer as intervenções necessárias em cada momento atrapalha o processo de ensino-aprendizagem”, desabafa Érica.

A sala de aula, seja ela presencial ou virtual, é o ambiente perfeito onde o conhecimento é compartilhado, tanto pelos professores, quanto pelos alunos. E apesar das dificuldades, ainda é possível celebrar boas notícias: neste ano, o Brasil teve três professores indicados entre os 50 finalistas mundiais do Global Teacher Prize, que premia destaques na área de educação.

Em tempos de distanciamento social, os profissionais da educação têm sido fundamentais para a sabedoria chegar aos alunos, mesmo que de forma online.

Clique para comentar

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cursos e Vagas

Emprego: CIEE abre processo seletivo para estágio no TST

Para se candidatar, é necessário estar matriculado no curso de direito. As inscrições ficam abertas até o dia 9 de agosto.

Publicado

on

Para os alunos de ensino superior, matriculados no curso de direito, uma grande oportunidade de aprendizado! O Centro de Integração Empresa e Escola (CIEE), está com processo seletivo aberto para contratação de estagiários no Tribunal Superior do Trabalho (TST). 

O edital oferece vagas de estágio, de cadastro reserva, para estudantes a partir do sexto semestre. A seleção possui três etapas, sendo elas a inscrição, prova online e entrevista. Os interessados devem se inscrever até o dia 9 de agosto, pelo site do CIEE.

O estágio terá carga horária de 20 horas semanais, distribuídas em quatro horas diárias. Os selecionados receberão bolsa-auxílio de R$800, além R$ 242, por mês, de vale transporte. Conforme o artigo 176, da Lei 11.788/2008, 10% das bolsas de estágio serão reservadas a estudantes portadores de deficiência.

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre-se de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Cursos e Vagas

Emprego: CIEE abre processo seletivo de estágio para o GDF

Para participar, o aluno deve estar matriculado em um curso de ensino superior. As inscrições ficam abertas até o dia 4 de agosto.

Publicado

on

Foto: Reprodução/ FreePik

Para aqueles que estão procurando uma oportunidade de trabalho, o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), está com uma excelente oportunidade. A instituição está com processo seletivo aberto para a contratação de estagiários para o Governo do Distrito Federal (GDF). Os interessados devem se inscrever até o dia 4 de agosto, pelo site do CIEE. 

Para se inscrever, é necessário estar devidamente matriculado em instituições públicas ou privadas de ensino superior. Entre as vagas, destaque para os cursos de arquivologia, comunicação social, comunicação organizacional, engenharia de redes e secretariado executivo.

A seleção é composta por duas etapas, sendo a primeira delas a inscrição e posteriormente, a prova. O edital prevê carga horária de 20 horas semanais, distribuídas em quatro horas diárias. Os selecionados receberão bolsa-auxílio de R$600, além de R$8 por dia de auxílio transporte. Conforme o artigo do Art. 54, § 1º, da Lei nº 6.637/2020, fica assegurado reserva de 20% das vagas oferecidas para cada curso às pessoas com deficiência.

Há 57 anos atuando no mercado, o CIEE  se dedica à capacitação profissional de estudantes por meio de programas de estágio. Atualmente, administra o estágio de mais de  200 mil estudantes e a aprendizagem de mais de 100 mil adolescentes e jovens.

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre-se de checar e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Distrito Federal

Ibaneis Rocha troca comando da Secretaria de Educação

Hélvia Paranaguá é a quarta secretária que chega ao cargo desde o início do atual governo, em 2019.

Publicado

on

Foto: Renato Alves/ Agência Brasília

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, decidiu mais uma vez trocar o comando da Secretaria de Educação. Leonardo da Cruz deixou o cargo na manhã desta quarta-feira (14) e sua exoneração  deve ser publicada em breve no Diário Oficial da União. A professora Hélvia Paranaguá é a nova indicada para comandar a pasta.

Leandro Cruz, que também foi secretário de Esporte e Lazer, deixa o cargo após pouco mais de um ano. Com a troca, a gestão de Ibaneis chega ao quarto secretário de Educação desde o início do mandato. Anteriormente, a pasta havia sido comandada por João Pedro Ferraz, em seguida, Carolina Petrarca que assumiu o cargo momentaneamente até a chegada de Leandro Cruz e agora, Hélvia. 

Natural da cidade de Corrente (PI), Hélvia é servidora pública concursada há mais de 20 anos e tem experiência em gestão. A nova secretaria terá a missão de coordenar o retorno às aulas presenciais na rede pública. 

Suspensas desde março do ano passado, em razão da pandemia da Covid-19,  a expectativa é de que as aulas retornem no próximo dia 2 de agosto. O GDF está trabalhando na vacinação dos professores para que as atividades presenciais possam ter um retorno seguro. 


Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre-se de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Popular