conecte-se conosco

Automobilismo

Bottas reclama do calor no macacão preto da Mercedes

Foto: Mercedes / Grande Prêmio

O piloto da Mercedes Valtteri Bottas está sofrendo com o calor e suspeita que o novo macacão preto de sua equipe tenha algo a ver com isso.

A Mercedes mudou o carro e as roupas nesta temporada de prata para preto em apoio à campanha antirracismo do esporte e para enfatizar o compromisso da equipe de melhorar a diversidade na Fórmula 1.

Bottas disse aos repórteres depois de suar durante o Grande Prêmio da Espanha que havia perdido três quilos na corrida de 66 voltas.

“Este ano, está ainda mais quente no carro”, afirmou o finlandês, que foi ouvido no rádio da equipe reclamando com seu engenheiro sobre o calor do macacão.

“Obviamente, tivemos que mudar a cor do macacão. E sabe-se que a cor preta absorve mais o calor, principalmente quando há sol direto”, acrescentou o piloto de 30 anos.

Bottas terminou em terceiro no domingo e agora está 43 pontos atrás do companheiro de equipe, o seis vezes campeão mundial e vencedor da corrida Lewis Hamilton, o único piloto negro do esporte.

“Eu não sei nenhum número ou fato, o quanto realmente preto versus branco difere em termos de temperatura, mas este ano está muito quente no carro”, disse o finlandês.

“Sei que de todos os pilotos sou um dos mais aptos fisicamente, senão o mais apto, então posso aguentar, mas nunca é confortável e sempre há coisas que podemos melhorar”, acrescentou ele.

O diretor de estratégia da Mercedes, James Vowles, disse após a abertura da temporada do mês passado na Áustria que a pintura não estava afetando o desempenho do carro.

Por Alan Baldwin – Reuters

Automobilismo

Venda de carros elétricos e híbridos dispara no Brasil com investimento das montadoras chinesas

Em 5 anos, mercado cresceu 1.400%. Em 2023, avanço foi resultado da estratégia agressiva de preços e marketing das empresas GWM e BYD

Publicado

on

Foto: Reprodução

O mercado brasileiro de carros elétricos e híbridos vem registrando um crescimento expressivo nos últimos anos, impulsionado pela entrada de novos modelos e marcas, especialmente as de origem chinesa. Segundo dados da consultoria automotiva Jato Brasil, as vendas desses veículos aumentaram quase 1.400% entre 2018 e 2023, passando de 3.970 para 59.173 unidades. Hoje, eles representam quase 5% do total de veículos de passeio vendidos no país.

Entre as montadoras que se destacam nesse segmento estão a BYD (Build Your Dreams) e a GWM (Great Wall Motors), que oferecem carros com preços competitivos e tecnologia avançada. A BYD é líder no mercado de 100% elétricos, com o modelo Dolphin, que custa entre R$ 150 mil e R$ 180 mil e foi lançado em junho deste ano. Em julho, a empresa importou 3 mil unidades do carro, que se tornou o elétrico mais vendido no Brasil. A GWM é líder no mercado de híbridos plug-in, que combinam um motor elétrico e outro a combustão, com o modelo Haval H6, que custa a partir de R$ 214 mil.

As duas empresas chinesas têm planos ambiciosos para o Brasil. A GWM anunciou um investimento de R$ 10 bilhões em dez anos, incluindo a compra de uma fábrica da Mercedes-Benz em Iracemápolis (SP), onde pretende produzir dois novos modelos híbridos a partir de 2024. A BYD está no país desde o início dos anos 2010, atuando inicialmente no segmento de veículos pesados, como ônibus e caminhões elétricos. A empresa também tem uma fábrica em Campinas (SP), onde produz painéis solares e baterias.

Para os especialistas do setor automotivo, o avanço das montadoras chinesas é uma tendência irreversível e benéfica para o consumidor brasileiro, que terá mais opções de carros sustentáveis e econômicos. Eles também apontam que as empresas nacionais e estrangeiras terão que se adaptar à nova realidade e investir mais em inovação e qualidade para não perder espaço no mercado.

Continue lendo

Automobilismo

Xiaomi recebe aprovação do governo para fabricar veículos elétricos na China

Gigante de smartphones planeja produção em massa de carros elétricos a partir de 2024; Xiaomi já vende SUV na China desde 2019

Publicado

on

Foto: Reprodução

A Xiaomi, uma das maiores fabricantes de smartphones e dispositivos eletrônicos do mundo, deu um passo importante para entrar no mercado de carros elétricos na China. A empresa recebeu a aprovação da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC), o principal órgão de planejamento econômico do país, para iniciar a produção de veículos movidos a energia elétrica.

A Xiaomi ainda precisa da permissão do Ministério da Indústria e Informação (MIIT), que regula o setor automotivo, para começar a fabricar e vender seus carros elétricos. A expectativa é que a empresa lance seu primeiro modelo, o sedã MS11 EV, em 2024. O carro teria uma autonomia de 800 km e custaria cerca de R$ 300 mil na China, segundo informações divulgadas na internet.

A Xiaomi enfrentará uma forte concorrência no mercado de carros elétricos, que já conta com gigantes como Tesla, Nio e BYD. A empresa anunciou que investirá US$ 10 bilhões em dez anos para desenvolver sua divisão automotiva. Além disso, a empresa já construiu fábricas modernas em Pequim, com capacidade para produzir 200 mil carros elétricos por ano.

A Xiaomi não é novata no ramo automotivo. Em 2019, a empresa lançou o SUV Bestune T77 em parceria com a First Automobile Works (Faw), uma das maiores montadoras da China. O SUV tem motor 1.5 turbo de 163 cv e câmbio automatizado de sete velocidades. O carro é vendido na China com o logotipo da Xiaomi e integração com os produtos da marca.

Continue lendo

Automobilismo

Citroën C3 produzido no Brasil obtém nota zero estrela em teste de segurança

Latin NCAP destaca preocupações com a falta de equipamentos de segurança e desempenho do veículo

Publicado

on

Foto: Reprodução

O Citroën C3, um dos modelos mais vendidos da marca francesa no Brasil, foi avaliado pelo Latin NCAP, a entidade que realiza testes de segurança para os veículos novos comercializados na América Latina e no Caribe. O resultado foi alarmante: o carro recebeu zero estrela na classificação geral, demonstrando um baixo nível de proteção para os ocupantes e pedestres.

O Latin NCAP submeteu o Citroën C3 a quatro tipos de testes: impacto frontal, impacto lateral, impacto lateral de poste e proteção para pedestres. O veículo, que conta com dois airbags e Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC) de série, não se saiu bem em nenhum deles.

No teste de impacto frontal, o carro obteve apenas 30,52% da pontuação máxima. A proteção para o peito do motorista foi considerada fraca, enquanto a do passageiro dianteiro foi marginal. A estrutura e a área dos pés também foram avaliadas como instáveis. O Latin NCAP atribuiu esse desempenho à falta de pretensores do cinto de segurança, que são dispositivos que tensionam o cinto em caso de colisão.

No teste de impacto lateral, o carro não passou pelo teste de impacto lateral de poste, pois não oferece proteção lateral padrão ou opcional para a cabeça. A proteção contra chicotada cervical (whiplash), que é o movimento brusco do pescoço em uma colisão traseira, também foi classificada como ruim.

No teste de proteção para o ocupante infantil, o carro obteve 12,10% da pontuação máxima. Apesar da proteção geral para as crianças ter sido quase total, pontos dinâmicos foram perdidos por causa da sinalização deficiente das ancoragens ISOFIX para os Sistemas de Retenção Infantil (SRI). Além disso, a sinalização de advertência do airbag no banco do passageiro dianteiro não está conforme os requisitos do Latin NCAP e não pode ser desativada. Alguns dos SRIs testados também falharam nos testes de instalação.

No teste de proteção para pedestres e usuários vulneráveis da estrada, o carro obteve 49,74% da pontuação máxima. A proteção para a cabeça dos pedestres foi marginalmente boa, enquanto as áreas próximas ao para-brisa e ao pilar A receberam proteção fraca a ruim. A proteção oferecida para a pélvis foi adequada a boa, enquanto a proteção para as pernas foi marginal a boa.

O Latin NCAP manifestou sua preocupação com o resultado do Citroën C3 e com a postura da fabricante Stellantis, que também produz outras marcas como Fiat, Peugeot e Jeep. Alejandro Furas, Secretário Geral do Latin NCAP, afirmou que é inaceitável que a empresa produza veículos com um nível tão baixo de segurança, sabendo que tem capacidade para produzir carros mais acessíveis e seguros.

Furas ressaltou a necessidade de a Stellantis rever seus requisitos de segurança, que atualmente estão abaixo do padrão necessário para garantir a proteção dos consumidores da região. Ele lembrou que outros modelos da empresa, como a Strada, 208 e Cronos/Argo, também tiveram resultados decepcionantes nos testes do Latin NCAP. Ele defendeu que a empresa invista em tecnologias de segurança mais avançadas e que siga as recomendações da entidade.

Com o fracasso no teste de segurança, o Citroën C3 evidencia a importância de priorizar a segurança dos veículos produzidos no Brasil e a necessidade de melhorias significativas para garantir a proteção dos ocupantes e pedestres.

Veja o vídeo abaixo:

Continue lendo

Popular