conecte-se conosco

Publicado

on

Após Troco em DobroEsquadrão 6 e The Old Guard, a Netflix agora insere em seu catálogo original mais um longa-metragem de ação. Só que, apesar de flertar com a fantasia dentro do gênero de super-heróis, Power não se trata apenas de uma história sobre poderes e sequências de embates físicos. Há mais elementos dramáticos contidos nesta trama que, caso se baseasse apenas no objetivo dos vilões, talvez não fosse tão instigante.

O filme dirigido pela dupla Ariel Schulman e Henry Joost (de Atividade Paranormal e Nerve) surpreende positivamente por dar uma atenção maior ao trio de personagens principais, que são tão interessantes quanto a misteriosa pílula que traz poderes momentâneos a quem a experimenta. Trata-se do plano sigiloso de uma corporação que pretende testar o maior número de pessoas de forma sorrateira, pulando de cidade a cidade sem deixar vestígios. 

A história de Power funciona muito por conta de apresentar o trio principal sem se alongar por demais em suas motivações – o que abre mais espaço para o espectador descobrir informações úteis, que adicionam emoção à jornada. Art (Jamie Foxx), Frank (Joseph Gordon-Levitt) e Robin (Dominique Fishback) são personagens distintos, mas como o roteiro foca bastante sua atenção nas particularidades que os unem, é possível comprar a ideia de que eles precisam se unir especificamente para esta missão contra quem está por trás da poderosa pílula.

Em especial, o destaque vai para Art e Robin, que encontram um no outro a melhor forma de lidar com o principal objetivo de Power. Enquanto Art procura sua filha que tornou-se uma cobaia poderosa, Robin acaba por encontrar em Art a primeira pessoa que parou para lhe dar um conselho importante relacionado a seguir sua própria voz na vida. E é neste ponto que o título Power entrega um duplo sentido, pois a jovem precisava estar no meio de uma missão perigosa ao lado de um estranho para valorizar seu poder pessoal – no caso, o talento nato para o rap.

Por intercalar os poderes da pílula com os poderes de seres-humanos comuns, o filme ganha uma identidade ao invés de seguir somente o caminho da procura por impacto visual. As cenas de ação são bem realizadas e, sem dúvidas, o talento de Jamie Foxx auxilia na efetividade das mesmas (destaque para a sequência que divide com Rodrigo Santoro – confortável no papel de vilão – próximo ao terceiro ato. Porém, o espírito de Power recai nas relações construídas entre os personagens, pois os diálogos são bem construídos e possuem o mínimo de exposição para embasar as motivações.

Apesar de não entregar uma narrativa completamente inovadora, o fato de termos uma jovem protagonista negra transforma Power em uma produção relevante. Ao adicionarmos a relação de Robin com Art e sua filha, assim como a participação importante – porém menos chamativa – de Joseph Gordon Levitt, é inegável perceber a intenção da produção em dar voz a personagens que poderiam ser os sidekicks (ajudantes) dos protagonistas. Por isso, observar a inversão de papéis entre Frank, o policial branco, e Robin, uma jovem com problemas financeiros que sente a falta do pai, faz com que Power cresça aos olhos do público por sair um pouco do óbvio.

Por Barbara Demerov – AdoroCinema

Cinema

Roteirista revela quanto Suzane Von Richthofen recebeu por novo filme

Publicado

on

Foto: Reprodução

O escritor e roteirista Raphael Montes, responsável pelos filmes A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou Meus Pais, que retratam o caso Suzane Von Richthofen, compartilhou algumas curiosidades sobre a produção em seu perfil no Instagram. Em uma série de imagens, ele esclareceu dúvidas e mitos sobre o filme, que estreou recentemente nos cinemas.

Montes afirmou que o filme não teve nenhuma colaboração ou pagamento dos envolvidos no crime, que chocou o país em 2002. “As pessoas retratadas no filme nunca receberam nem irão receber nenhum valor ou pagamento. Eles não possuem nenhum direito sobre a obra. Não houve contato entre a produção e Suzane Von Richthofen, Daniel e Cristian Cravinhos nem seus familiares”, disse.

Ele também explicou que o filme se baseou exclusivamente nos depoimentos dados à Justiça, que são de domínio público. “O filme é uma adaptação de uma história real baseada exclusivamente nos depoimentos transcritos nos autos do processo. Esses autos são públicos”, informou.

O roteirista ainda negou que o filme tenha a intenção de romantizar ou enaltecer o assassinato dos pais de Suzane, cometido por ela e pelos irmãos Cravinhos. “A interpretação dos fatos e das versões é facultada ao público. Os filmes não apontam inocentes ou culpados, tampouco romantizam ou enaltecem os assassinatos”, declarou.

Por fim, Montes ressaltou que o filme foi feito com recursos privados, sem uso de verba pública. “Não há verba pública na produção: Os filmes são produções feitas com investimento privado. Não há nenhum uso de verba pública em suas realizações”, finalizou.

Continue lendo

Cinema

Vida da influenciadora e advogada Deolane Bezerra vai virar filme

Em vídeo publicado no Instagram, a influenciadora refletiu sobre sua própria trajetória, sobre maternidade e sobre sua relação com as redes sociais

Publicado

on

Foto: Reprodução

A advogada e influenciadora digital Deolane Bezerra surpreendeu seus fãs ao revelar que sua vida será retratada em um filme. Em um vídeo publicado em seu Instagram no domingo (22/10), ela mostrou uma prévia da produção, que abordará sua trajetória pessoal e profissional, sua experiência como mãe e sua relação com seus seguidores. “Os meus seguidores são o meu combustível diário. Existem coisas que eu tento não levar para a internet, mas parece que eles adivinham”, afirmou ela em uma parte do vídeo.

No final da prévia, Deolane apareceu dirigindo um carro de luxo roxo, uma Lamborghini Urus 2023. Na legenda, ela questionou se estava feliz ou apenas ostentando. “Será que estou feliz ou estou só ostentando? Às vezes, não é ostentar, é inspirar”, escreveu.

O filme ainda não tem data de lançamento nem plataforma definida. A direção é de Luciano Marques, que já trabalhou com outros artistas famosos. Deolane Bezerra ganhou notoriedade nas redes sociais após o falecimento de seu noivo, o cantor MC Kevin, em maio deste ano.

Continue lendo

Cinema

‘O Som da Liberdade’ lidera bilheteria no Brasil

O filme é uma adaptação da história real de um agente especial do governo dos EUA que vive o dilema de prender pedófilos e não conseguir trazer as crianças de volta aos seus lares

Publicado

on

Foto: Reprodução

Nesta semana, finalmente ocorreu a estreia do filme “O Som da Liberdade” no Brasil. É um filme sobre exploração sexual de crianças e tráfico humano, baseado em fatos reais, e sucesso de bilheteria nos EUA. E desde a estreia vem sendo considerado o filme mais polêmico do ano.

O filme é uma adaptação da história real de um agente especial do governo dos EUA que vive o dilema de prender pedófilos e não conseguir trazer as crianças de volta aos seus lares. Cansado disso, o personagem principal parte para uma missão de resgate de crianças e combate ao tráfico sexual infantil. Um filme poderoso e impactante que precisa ser exibido ao mundo inteiro para que possamos refletir e falar sobre tudo isso.

A cada 24 horas 320 crianças são exploradas sexualmente no Brasil que ocupa o 2º lugar no ranking mundial de exploração infanto-juvenil, sendo que apenas 7 casos em 100 são denunciados. Mais de 70% das pessoas que assistem a exploração sexual se calam e uma menina de até 13 anos de idade é estuprada a cada 15 minutos no Brasil. Os números são assustadores, pois contabilizamos mais de 500 mil vítimas de exploração sexual por ano e apenas nas rodovias federais brasileiras existem 3.651 pontos de exploração sexual infantil, sendo o Brasil apontado como um dos piores países do mundo para ser menina. O Brasil é ainda o maior exportador de crianças e mulheres para prostituição das Américas, servindo também de trânsito para as aliciadas no continente a caminho dos Estados Unidos e da Europa.

Antes de mais nada, é preciso esclarecer a diferença entre os crimes de abuso sexual e de exploração sexual, sendo o primeiro praticado através de atos abusivos, e o segundo com a finalidade estritamente comercial, visando o lucro, seja através da prostituição, pornografia, turismo sexual ou o tráfico de pessoas, que serve de enredo ao filme. O tráfico de pessoas movimenta mais de 30 bilhões de dólares anualmente segundo a ONU, sendo que a forma mais frequente é a exploração sexual (79%) sobressaindo sobre as outras, que são a exploração do trabalho e o tráfico para o comércio de órgãos. É a fonte de renda ilegal que mais cresce no mundo, sendo que o número de crianças vítimas de tráfico sexual triplicou últimos 15 anos.

Sempre que se fala em pedofilia, penso que existe ainda muito a ser feito. Em primeiro lugar é preciso estabelecer um vínculo forte e conversar com nossos filhos, pois uma criança informada (inclusive sobre o uso da internet) tem bem menos chance de ser abusada, sendo que o silêncio é o maior aliado dos predadores sexuais. Mas não apenas isso, precisamos investir em campanhas e políticas públicas sérias sobre o crucial tema. O enfrentamento a esse tipo de crime também passa por investimento nas polícias, por fortalecimento das fronteiras, pela criação de legislação específica, em especial, sobre crimes de internet, bem como, precisamos ter um grande banco de dados nacional desses criminosos sexuais, entre outras medidas.

Confesso que não consigo entender o real motivo de tanta polêmica sobre o filme, que vai desde associar com a extrema-direita estadunidense, questionar se os fatos são reais, repudiar o fato dos traficantes e pedófilos estarem na América Latina, e outras muitas “teorias da conspiração”. Não tenho dúvida alguma de que a importância do longa para a sociedade deve estar muito acima de toda essa polêmica, pois após 05 anos sendo rejeitado na tela grande, o filme tem hoje o potencial para se tornar um forte movimento de combate ao tráfico sexual humano a se espalhar pelo mundo.

E desde já adianto que é impossível assistir esse filme sem correr o risco das lágrimas derramarem dos seus olhos, por mais de uma vez. Porém, o tráfico sexual de crianças e adolescentes é um tema que precisa ser debatido e o filme ajuda nisso. Esse tipo de crime é tão horrível que a sociedade teima em fechar os olhos, sendo que o primeiro passo é justamente falar sobre isso, e falar muito. É preciso retirar esse assunto da invisibilidade, fortalecer a rede de proteção e incentivar a denúncia, pois cuidar dessas crianças deve ser um compromisso de todos nós.

Se ao menos desconfiar, não se cale, denuncie, disque 100.

Veja o trailer do filme abaixo:

Charles Bicca é presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Criança Adolescente e Juventude da OAB/DF e Especialista em Garantia dos Direitos e Política de Cuidados à Criança e ao Adolescente pela Universidade de Brasília- UnB.
Autor dos livros: Abandono afetivo: O dever de cuidado e a responsabilidade civil por abandono de filhos (2015); Pedofilia: Repressão aos crimes de violência sexual contra crianças e adolescentes (2017 – coautor) e Mãe, cadê meu pai? (2019).

Continue lendo

Popular