conecte-se conosco

Distrito Federal

CLDF inicia Ciclo de Debates sobre hospitais de campanha da capital

A iniciativa foi idealizada após CPI da Pandemia ter recebido 13 votos favoráveis, mas não ter sido instalada

Foto: Rayra Paiva Franco/O PANORAMA

Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) estreou, nesta sexta-feira (09), o Ciclo de Debates sobre os hospitais de campanha do DF. Todas as audiências públicas serão transmitidas ao vivo pelo e-Democracia, ferramenta de interação digital da Câmara Legislativa. Os ciclos de debates estão programados para ocorrerem durante as sextas-feiras de outubro, sempre às 15h.

O deputado distrital Leandro Grass (Rede) criou a iniciativa, juntamente com o deputado Fábio Félix (PSOL) e a deputada Júlia Lucy (Novo). O projeto, nomeado “De Olho na Saúde”, tem como objetivo fiscalizar as ações que envolvem temas relevantes da saúde durante a pandemia do novo coronavírus. O primeiro debate tem como tema: hospitais de campanha do DF.

Ao longo de todos os encontros, transmitidos online, autoridades, membros da sociedade civil e representantes de órgãos públicos vão discursar. Apesar de ter 13 assinaturas dos demais parlamentares para instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), a CLDF não a instalou. Sendo assim, o Ciclo de Debates deixará os assuntos relacionados à saúde em evidência.

O deputado distrital Leandro Grass destaca a necessidade de haver uma transparência maior nos atos do Executivo. “A CPI seria a forma mais apropriada para essa fiscalização. Como não foi instalada, buscamos outra alternativa para que tudo fiquem expostas as ações tomadas. Vamos fazer isso pelo bem da população. Seremos propositivos, abertos ao diálogo e encaminharemos sugestões que venham da própria população, que acompanhará os debates”, afirma Grass.

Próximos encontros

Além dos hospitais de campanha do DF – tema do primeiro debate –, as reuniões da CLDF ainda vão abordar, diversos assuntos relacionados à saúde na capital. Além disso, as ações dentro do Instituto de Gestão de Saúde do DF (IGES), produtos médicos para o combate à Covid-19 e as contratações de UTIs e sua taxa de ocupação são temas das próximas reuniões.

Como acompanhar

As audiências públicas ficarão disponíveis pelo site do e-Democracia. Na transmissão, há um espaço reservado para o envio de perguntas sobre o tema de cada debate, e os convidados terão a oportunidade de respondê-las. O primeiro assunto das reuniões foi sobre os hospitais de campanha investigados pela CLDF.

Para poder participar do bate-papo e enviar perguntas nas audiências interativas é necessário a realização de login no site. Após a realização do cadastro é liberado ao usuário todas as funções da ferramenta e-Democracia.

Hospital de Campanha do DF teve 173 leitos Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Primeira reunião

A primeira reunião debateu o processo de licitação de empresas de engenharia para a construção do hospital de campanha no estádio Mané Garrincha. De acordo com documentos mostrados pelo deputado distrital Leandro Grass (Rede), a empresa vencedora da licitação ficou em sétimo lugar na cotação de preços. O valor cobrado pela CONTARPP ENGENHARIA LTDA, vencedora da licitação foi de R$ 5,092,313,27, ao passo que a empresa MACRO ENGENHARIA propôs o valor de R$ 2.931.643,82 para o mesmo projeto.

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal solicitou, por meio da licitação em caráter de emergência de saúde pública, dois tópicos principais. Entre eles: A criação de 200 leitos de internação para pacientes em tratamento de coronavírus.

Outro ponto do debate foi que esse e-mail foi encaminhado um dia antes da publicação da licitação no Diário Oficial da União (DOU). A Secretaria de Saúde convocou a licitação no Diário Oficial dia 2 de abril, em edição extra. O Diretor de Aquisições Especiais da Secretaria de Saúde, Emanuel de Oliveira Carneiro enviou o e-mail um dia antes. Sendo assim, as empresas de engenharia estranharam o conteúdo e o prazo para retorno da licitação.

A princípio, a convocação por e-mail não especificou os critérios de escolha das empresas participantes.

“Um e-mail, não institucional, enviado com uma mensagem para algumas empresas e nós queremos saber quais são os critérios para a seleção destas empresas. Também o motivo dessa chamada informal se dar anteriormente à chamada do Diário Oficial”, questiona Grass.

Por fim, o Ciclo de Debates tem a próxima reunião marcada para a próxima sexta-feira (16), às 15h.

Clique para comentar

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Distrito Federal

PMDF salva criança de 2 anos em Ceilândia

O menino havia se engasgado com um macarrão e precisou de socorro.

Publicado

on

Foto: Reprodução/PMDF

Na noite do último domingo (25), a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), precisou agir rápido para salvar uma criança de 2 anos, em Ceilândia. O menino havia se engasgado com um macarrão e precisou de socorro. 

Por volta das 18h, uma mulher foi até o 8º Batalhão desesperada pedindo socorro aos policiais. O menino estava há poucos metros do Batalhão. Os policiais foram correndo até o local e ao chegarem lá os populares já haviam desacreditado da criança. 

Embora os que estavam por perto já tinham dado o menino como morto, a polícia não poupou esforços para salvar o menino. A equipe começou a fazer as manobras necessárias como massagens e respiração boca a boca até que a criança voltasse à vida.

A ação foi feita com excelência. Após reanimar a criança, os policiais encontraram com a ambulância do SAMU que continuou com os atendimentos. Em seguida, o menino foi levado ao Hospital Regional de Ceilândia. ST Bandeira, ST Assis, ST Ortêncio e SGT Richard foram os responsáveis por salvar a criança. 

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre-se de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Distrito Federal

Covid-19: gestantes e puérperas podem ser vacinadas em mutirão no DF

Governo pretende vacinar 100 mil pessoas até o domingo

Publicado

on

Foto: Ana Nascimento/MDS

Gestantes e puérperas podem ser vacinadas no mutirão de vacinação contra a covid-19 do Distrito Federal. O esforço concentrado começou hoje (23) e vai até domingo. Os dois públicos foram incluídos nos grupos passíveis de imunização, juntamente com as faixas etárias a partir dos 37 anos.

Os locais serão distribuídos por idade e por critérios específicos. Gestantes e puérperas só podem receber a vacina em determinados locais.

Alguns postos só aplicarão a primeira dose. Outros com primeira e segunda doses, e locais somente com segunda dose. A relação dos locais e quais tipos de doses foi disponibilizada no site do governo.

Deverão ser disponibilizadas cerca de 100 mil doses. Diferentemente da dinâmica adotada até o momento na capital, não haverá a necessidade de agendamento. A mudança foi feita diante de reclamações das dificuldades de cidadãos conseguirem realizar a marcação da aplicação das doses.

Em oportunidades anteriores de abertura de vacinação contra covid-19, o preenchimento das vagas ocorreu em menos de uma hora. Para responder às críticas, o Governo do Distrito Federal informou que irá ampliar os postos de vacinação de 54 para cerca de 100, espalhados em diferentes pontos da capital. Segundo o governo, 35 mil pessoas foram vacinadas na manhã de hoje. No sábado e no domingo a vacinação ocorrerá entre as 9h e as 17h.

Depois do mutirão, segundo a Secretaria de Saúde, pessoas dentro das faixas etárias poderão seguir procurando os postos destinados para a aplicação de imunizantes. Contudo, a vacinação estará condicionada à chegada de doses.

Por: Agência Brasil

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Distrito Federal

Entenda como vai funcionar mutirão de vacinação contra covid-19 no DF

Imunização será aberta nesta sexta-feira para pessoas com 37 anos

Publicado

on

Foto: Rayra Paiva Franco/O Panorama

O governo do Distrito Federal (GDF) inicia nesta sexta-feira (23) mutirão para vacinar contra a covid-19 pessoas com idade a partir de 37 anos. No mutirão, que vai até domingo (25),deverão ser disponibilizadas cerca de 100 mil doses de imunizantes.

Pela primeira vez não haverá necessidade de agendamento no Distrito Federal. A mudança foi feita diante de reclamações sobre o sistema de agendamento para a vacinação. Desta vez, haverá 100 postos abertos. Geralmente são 54 locais para a imunização dos habitantes do DF. No site do GDF, é possível verificar todos os locais que estarão abertos.

Conforme o secretário de Saúde do DF, Osnei Okumoto, os postos foram divididos para facilitar a vacinação da população que procura a primeira ou a segunda dose. “Temos um número muito grande de pessoas ainda para receber a segunda dose. Então, nessa grande campanha de vacinação nesta sexta-feira, estaremos dividindo postos que atenderão D1 [dose 1] e os que atenderão D2 [dose 2]. E também aquelas unidades muito organizadas estarão fazendo dose 1 e dose2 ao mesmo tempo”, disse Okumoto.

Na sexta-feira, a vacinação ocorre das 8h às 17h nas unidades básicas de saúde (UBS) e nos drive-thrus, das 9h às 17h. Já no sábado (24) e no domingo (25), o horário de atendimento ao público é das 9h às 17h em todos os pontos.

Segundo a Secretaria de Saúde, após o mutirão, as unidades de saúde vão continuar aplicando as doses remanescentes de imunizante.

A expectativa da Secretaria de Saúde é que 300 mil pessoas sejam completamente imunizadas, ou seja, recebam as duas doses de vacina ou dose única, até o fim deste mês. Mais de 51% da população acima de 18 anos já recebeu a primeira dose no Distrito Federal, e 20,27% completaram o ciclo com as duas doses aplicadas ou a dose única.

*Colaborou Jonas Valente

Por: Agência Brasil

Para continuar atualizado sobre saúde, política, cultura pop e outros assuntos, lembre de checar nosso site e seguir o nosso perfil do Instagram (@OPanoramaOficial).

Continue lendo

Popular